x

Dívidas

Dívidas bancárias: minha história com o endividamento bancário pode ajudar você e sua empresa!

Alternativas administrativas no processo do endividamento bancário de empresas!

10/06/2021 17:30:01

1,4 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Dívidas bancárias: minha história com o endividamento bancário pode ajudar você e sua empresa! stevepb

Assim como muitos empresários que estão com alto endividamento bancário, inadimplentes ou outros próximos a chegar nessa situação, também vivi caso semelhante, ainda que, como diretor financeiro de uma empresa familiar, com uma grande participação de market share em seu segmento.

A Gestão Administrativa Financeira reportando desequilíbrios!

Em minha carreira de pouco mais de 20 anos de mercado (na época), sempre tive como cultura ter demonstrativos contábeis financeiros para apresentar a quem tomava decisão (diretoria) e depois de alguns anos para que eu junto com outros diretores pudéssemos compartilhar as decisões da empresa.

E deparar-se com números deficitários incomoda qualquer gestor, principalmente quando esses resultados são repetitivos!

A(s) causa(s)!

As causas do endividamento bancário são as mais diversas, entretanto, devem ser devidamente diagnosticadas, para que não mais retornem, do contrário, um trabalho para corrigir a consequência é colocado em pratica e a causa permanece.

Dentre as causas podemos citar:

  • Desequilíbrio dos resultados;
  • Concorrência;
  • Excesso de retirada dos sócios;
  • Dissolução societária;
  • Entre muitas outras.

Em nosso caso os resultados por “n” razões foram o fator predominante no agravamento do aumento do passivo bancário.

A relação com bancos!

Uma empresa com histórico de mercado, patrimônio, compromisso com suas obrigações fiscais e comerciais, geralmente são as meninas dos olhos dos bancos de forma geral.

Os bancos sabem do compromisso dos empresários e diante disso abrem o cofre e “fazem a festa” com seus ganhos em operações de créditos das mais diversas.

Tínhamos uma relação com os principais bancos do mercado, em alguns casos contas empresariais com mais de 20 anos. Entretanto, todo o passado de nada adiantou quando fomos sentir a reação dos bancos buscando equalizar o endividamento.

A frieza com o passado foi colocada a mesa e nos foi dito de forma segura “deixemos o passado que foi muito bom, vamos focar no momento atual”.

Era esperado e foi concretizado.

O despreparo para tratar a questão diante do volume da dívida!

A medida que o endividamento aumenta, o risco cresce junto, tenha certeza que esse sentimento passa a ser seu (gestor) e também dos bancos.

O acompanhamento de todo o passivo da empresa, além dos resultados periódicos e realizado pelos bancos de forma constante.

Quando percebem o alavancamento das dívidas e não veem a contra-partida em faturamento e nos resultados, as operações começam a ser redesenhadas.

Limites serão reduzidos, prazos achatados, taxas vão sendo elevadas aos poucos e garantias passam a fazer parte com mais intensidade das operações até que a empresa não mais disponha de recebíveis e as reais (imóveis) entram nas operações.

Garantias reais são imóveis, sejam da empresa ou sócios.

Credito moral – um valor de empresários comprometidos!

É muito positivo quando encontramos empresários com esse propósito, e tenha certeza que esse credito moral é muito bem explorado pelos bancos no processo de negociação quando realizado diretamente entre empresas e bancos.

Os bancos de forma estratégica, costumam coagir empresários e gestores baseados nesse credito moral (ações, restrições) buscando realizar as negociações dentro de seus interesses e gerando “facilidades” a empresa, entretanto, as expectativas das empresas não são levadas em consideração nesse processo.

A melhor dentre as opções para solucionar!

Retomando a minha história, diante do cenário que estava sendo desenhado de forma muito rápida, colocamos em pratica um plano de ação, após muitas reuniões, visando definir dentre as opções a melhor alternativa para resolver os problemas que estavam para acontecer.

O cenário era catastrófico (sem exageros), para quem nunca esteve inadimplente com qualquer compromisso, de um mês para outro, viver uma sequência de restrições era algo não de “tirar o sono”, mas de não deixar que dormíssemos.

Custo benefício!

Dentre todas as opções formais e legais que analisamos, tanto no fator, custo, profissionalismos e resultados futuros, chegamos a definição que a contratação de especialistas em Negociação Bancária seria sem dúvida a que mais atendia nossas expectativas.

E de fato foi.

Tudo o que foi apresentado, foi cumprido:

  • Negociações claras e profissionalizadas;
  • A blindagem da diretoria e gestores da empresa;
  • O processo visado atender as necessidades da empresa;
  • Alongamento do prazo de pagamento, redução das taxas, eliminação de garantias e também a não disponibilização de garantias reais em novos contratos.

A continuidade da empresa

Todo nosso propósito de buscar a melhor solução, era que, diferentemente de uma empresa de poucos anos de criação, que muitos empresários “baixam as portas” e abrem um CNPJ em nome de terceiros, tínhamos como “valor” buscar solucionar, pois sabíamos da possibilidade.

Uma vez tudo devidamente renegociado, sabíamos que a empresa continuaria, e com a negociação bem realizada e estruturada, as parcelas se adequando a capacidade de pagamento da empresa, tudo fluiria.

E assim foi.

Todo o processo de Negociação!

Todo o processo foi conduzido de forma profissional pelos profissionais que hoje fazem parte da equipe da AXS Consultoria Empresarial.

Profissionais com grande experiência, que conhecem todo o processo, pois atuaram como executivos (Diretoria e Gerencia Geral) de bancos, durante muitos anos e realizaram aos bancos diversas negociações. Conhecem a situação, e o melhor atuando dos dois lados. Já defenderam os interesses dos bancos, agora atuam pelas empresas.

Reuniões diversas foram realizadas com todos os bancos, sempre visando atender aos interesses da empresa, porém, respeitando todo o processo de negociação.

O profissionalismo sempre foi um fator predominante.

Enfim tudo devidamente negociado

Respeitando o tempo de cada banco e também atendendo o objetivo de ter o melhor resultado nas negociações como era o objetivo da empresa, após alguns meses todos os bancos estavam com os contratos devidamente renegociados.

Alguns com prazos que na época eram fora de cogitações, entretanto, conseguimos.

E importante deixar descrito, que tínhamos inclusive passivos atrelados a moeda estrangeira (ACE e ACC) o que requer todo um planejamento diferenciado, e ainda assim, foi solucionado.

Uma nova realidade a Gestão

O que parecia impossível, após alguns meses, se concretizou, todo o Passivo devidamente renegociado, com parcelas muito baixas em função do alongamento das dívidas, sem garantias reais nos novos contratos e com taxas de juros adequadas a realidade na época.

Caberia a empresa agora, fixar exclusivamente na industrialização e comercialização de seus produtos e serviços, visando agregar resultados e honrar os compromissos devidamente negociados junto aos bancos.

O conceito no mercado da renegociação de dívidas administrativas

Visando enfraquecer as empresas com esse tipo de negociação, os bancos atentos ao cenário, abriram essa possibilidade para empresas buscarem diretamente essa negociação (Empresa x Bancos) sem a intermediação de especialistas.

Isso é muito bom aos bancos, apesar de empresários e gestores acharem uma facilidade por parte dos bancos, eles criam facilidades e impõem suas regras para empresários que não sabem de fato como todo o processo pode ser conduzido.

Uma das grandes vantagens do processo de negociação administrativa, é que apesar de rápida (entre 02 e 06 meses) em média, tem um custo muito baixo, e acaba sendo saudável na relação banco x empresa, pois, quem nunca passou por situações financeiras difíceis.

O mais importante é retomar as atividades sem precisar “reinventar a roda” muitas vezes com ações inadequadas.

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.