x

ZFM

Créditos e exonerações fiscais envolvendo operações com a Zona Franca de Manaus

O artigo trata das possibilidades legais de aproveitamento de créditos e desonerações relacionados a aquisições e vendas da e para a Zona Franca de Manaus: 1) Créditos de IPI ficto; 2) Crédito Presumido e Reintegra e 3) Exclusão da base da CPRB.

30/05/2022 17:30:01

1,4 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Créditos e exonerações fiscais envolvendo operações com a Zona Franca de Manaus

Informamos, abaixo, as possibilidades legais de desoneração e recuperação tributária envolvendo as operações de compras e também de vendas de e para a Zona Franca de Manaus.

  • Crédito de IPI sobre as aquisições de mercadorias isentas do IPI, provenientes da ZFM
  • Crédito Presumido do IPI (para empresas no regime cumulativo do PIS e da COFINS) e Apuração e aproveitamento de créditos no REINTEGRA, previsto na Lei 12.546/2011
  • Exclusão das receitas decorrentes das vendas para a ZFM da base de cálculo da Contribuição Previdenciária sobre Receita Bruta (CPRB), instituída pela Lei nº 12.546/2011

Passamos a analisar, abaixo, detalhadamente, cada uma dessas oportunidades.

  • Crédito de IPI sobre as aquisições de mercadorias isentas do IPI, provenientes da ZFM:

O STF, no dia 25/04/2019, decidiu, sob o regime de repercussão geral, no julgamento do recurso extraordinário 592.891/SP (Tema 322), que as aquisições de mercadorias industrializadas provenientes da ZFM, mesmo isentas do referido imposto, por conta justamente da produção em tal região incentivada, geram, para os seus adquirentes, o direito ao crédito do IPI, segundo a classificação fiscal da TIPI, como se tivesse o referido imposto sido destacado.

A nossa Suprema Corte baseou seu entendimento no fato de que a isenção (na verdade uma imunidade) decorrente da Zona Franca de Manaus possui “caráter especialíssimo”, condizente com os interesses da Nação naquela localidade. Disso decorre que a aquisição sem a permissão do respectivo crédito do IPI resultaria em desestímulo à produção na referida região do país. Sendo assim, a fim de que não reste anulada a vantagem fiscal prevista no Decreto-lei 288/1967 e corroborada pelo art. 40 do Ato da Disposições Transitórias da Constituição Federal, deve ser autorizado ao adquirente de tais produtos a possibilidade de um crédito ficto, aplicando-se sobre o valor da Nota Fiscal de aquisição a alíquota do IPI de acordo com a classificação fiscal da mercadoria adquirida.

Sendo assim, todos os contribuintes que realizaram ou realizam aquisições da ZFM podem efetuar o levantamento dos créditos fiscais do IPI sobre tais compras, dos últimos cinco anos, sem a necessidade de discussão judicial, sendo ainda possível a correção monetária desse crédito até 25/04/2019 ao menos, data em que cessou a proibição a tal crédito imposta até então pela Receita Federal, juros esses não tributáveis, conforme precedente mais contemporâneo, do próprio STF.

  • Crédito Presumido do IPI – para empresas no regime cumulativo do PIS e da COFINS e Apuração e aproveitamento de créditos no REINTEGRA, previsto na Lei 12.546/2011

A empresa produtora e exportadora de mercadorias nacionais faz jus a um crédito presumido de IPI, como forma de ressarcimento do PIS e da Cofins incidentes sobre as respectivas aquisições, no mercado interno, de matérias-primas, produtos intermediários e materiais de embalagem utilizados no processo produtivo, conforme previsto no artigo 1º da Lei 9.363/1996[1].

E as vendas para a Zona Franca de Manaus, conforme previsto na Constituição Federal e já reafirmado pelo mesmo STF em diversas oportunidades, equivale, para todos os efeitos legais e fiscais, a uma exportação de mercadorias.

Sendo assim, sobre tais vendas para a ZFM, as empresas fora do regime não-cumulativo do PIS e da COFINS, possuem o direito de também calcularem e se aproveitarem do mesmo ressarcimento do IPI aplicável a exportadores, aproveitando-o para quitação do próprio IPI, ou utilizando o saldo credor do IPI gerado a cada três meses pela empresa, para a compensação de outros tributos federais, como o próprio PIS e COFINS.

Ocorre, todavia, que a Receita Federal assim não entende, sendo necessária, em razão disso, a busca da realização desse direito por meio de uma ação judicial. Sobre o tema, pouco discutido ainda nos Tribunais, nosso escritório tem obtido esse reconhecimento judicial do direito de crédito, valendo mencionar acórdão do Tribunal Regional Federal da 3ª Região sobre o tema, assim ementado:                          

“(...).. PIS E COFINS. VENDA DE MERCADORIAS PARA A ZONA FRANCA DE MANAUS. EQUIPARAÇÃO À EXPORTAÇÃO. ART. 40 DO ADCT. ART. 14, § 2º, I DA MP N.º 1.858-6/99 E REEDIÇÕES POSTERIORES. SUSPENSÃO DA EFICÁCIA. ADIN N.º 2.348-9. IMUNIDADE. ART. 149, § 2º, I DA CRFB. PRESCRIÇÃO QUINQUENAL. COMPENSAÇÃO. ART. 170-A. APLICABILIDADE. IPI. CRÉDITO PRESUMIDO. LEI N.º 9.363/96. CREDITAMENTO. POSSIBILIDADE. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS.

  1. omissis
  2. O Decreto-Lei n.º 288/67, que regulou a Zona Franca de Manaus, determinou em seu art. 4º que, havendo um benefício fiscal instituído com o objetivo de incentivar as exportações de mercadorias nacionais, este deve ser estendido às vendas de mercadorias destinadas à Zona Franca de Manaus. Significa dizer que as mesmas regras jurídicas determinadas aos tributos que atingem exportações foram estendidas às operações realizadas com a Zona Franca de Manaus.
  3. O art. 40 do ADCT, com o objetivo de promover o desenvolvimento da região Amazônica e reduzir as desigualdades sociais e regionais, determinou a manutenção da Zona Franca de Manaus pelo prazo de 25 (vinte e cinco) anos.
  4. O incentivo fiscal destinado às exportações de mercadorias para o estrangeiro, em relação ao PIS e à Cofins, estende-se às vendas de mercadorias destinadas à Zona Franca de Manaus.

(...) omissis

  1. Precedentes do C. STJ acompanhando o entendimento proferido na liminar da ADIN 2.348-9/DF. A Zona Franca de Manaus ganhou status constitucional e, como tal, não estaria passível de alteração por norma infraconstitucional.”

(TRF 3ª Região, SEXTA TURMA, ApReeNec - APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA - 1578190 - 0000304-72.2008.4.03.6119, Rel. DESEMBARGADORA FEDERAL CONSUELO YOSHIDA, julgado em 31/07/2014, e-DJF3 Judicial 1 DATA:08/08/2014.

Na mesma linha, é o direito à inclusão das vendas à Zona Franca de Manaus na base de cálculo dos créditos permitidos pela Lei 12.546/2011, que criou o chamado REINTEGRA, para a compensação de resíduos tributários no mercado interno, aplicável aos exportadores e, logo, também às empresas que realizam operações de venda à Zona Franca de Manaus, conforme precedentes sobre a matéria, dos quais se destaca um dos mais recentes sobre o assunto:

MANDADO DE SEGURANÇA. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA. LEI Nº 12.546, DE 2011. REINTEGRA. ZONA FRANCA DE MANAUS. ÁREAS DE LIVRE COMÉRCIO. EQUIPARAÇÃO À EXPORTAÇÃO. As receitas decorrentes de vendas realizadas para a Zona Franca de Manaus e para as áreas de livre comércio de Boa Vista e de Bonfim, às quais são equiparadas às exportações,  devem compor a base de cálculo do Reintegra, incentivo fiscal instituído para aumentar a competitividade da indústria nacional mediante a desoneração das exportações.” (TRF4 5000028-48.2022.4.04.7117, SEGUNDA TURMA, Relator RÔMULO PIZZOLATTI, juntado aos autos em 17/05/2022)

Sendo assim, tendo sido ainda mais ressaltado recentemente o caráter especialíssimo dos benefícios fiscais envolvendo a ZFM, pelo primeiro julgado do STF destacado nesse pequeno texto, fica ainda mais evidente o direito das empresas de obterem o reconhecimento, pelos mesmos motivos expostos por aquela Corte (relevantes interesse nacional), também de seus créditos presumidos do IPI ou o cálculo e aproveitamento de créditos dentro do REINTEGRA, previsto na Lei 12.546/2011, como forma de ressarcimento do PIS e da COFINS (crédito presumido) e de outros custos tributários (REINTEGRA) pagos no mercado interno sobre todos os insumos de produção aplicados às suas vendas, dos últimos cinco anos, para a referida região, já que equiparadas, para todos os fins, a exportações.

  • Exclusão das receitas decorrentes das vendas para a ZFM da base de cálculo da Contribuição Previdenciária sobre Receita Bruta (CPRB), instituída pela Lei nº 12.546/2011

Finalmente, pela mesma motivação acima explanada, qual seja, o reconhecimento constitucional e pelo STF do caráter especialíssimo da ZFM e da equiparação de vendas para tal região incentivada, para todos os fins, a exportações ao exterior, salientamos que as receitas de vendas para a ZFM não podem ser submetidas à incidência da chamada CPRB, criada no âmbito da chamada “desoneração da folha de pagamento”, por expressa exclusão de tais receitas da base de cálculo desse tributo, contida no 9º da Lei nº 12.546/2011.

Nesse sentido, já existem vários precedentes a respeito, destacando-se, abaixo, recente acórdão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, assim ementado:

“TRIBUTÁRIO. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SUBSTITUTIVA. RECEITA DAS VENDAS PARA A ZONA FRANCA DE MANAUS E ÁREAS DE LIVRE COMÉRCIO. RECEITAS EQUIPARADAS À EXPORTAÇÃO. ART. 9º, II, "A", DA LEI 12.546/11. 1. As receitas decorrentes de vendas realizadas para a Zona Franca de Manaus e para as áreas de livre comércio de Boa Vista e Bonfim devem ser excluídas da contribuição previdenciária prevista no art. 8º da Lei nº 12.546, de 2011, pois equiparadas às exportações. 2. Os valores indevidamente pagos devem ser atualizados pela taxa Selic a partir do mês subsequente ao do recolhimento indevido e podem ser compensados, na forma do art. 89, caput e § 4º da Lei nº 8.212/91.” (TRF4 5027214-10.2021.4.04.7108, SEGUNDA TURMA, Relator ALEXANDRE ROSSATO DA SILVA ÁVILA, juntado aos autos em 19/05/2022)  

Vê-se, assim, portanto, que as aquisições e as vendas da e para a Zona Franca de Manaus devem ter o tratamento privilegiado conferido pela Constituição, ratificado em abril de 2019, pelo Supremo Tribunal Federal, como acima visto, afastando-se, dessa forma, quaisquer restrições ao aproveitamento de créditos fiscais e exonerações próprios desse regime fiscal privilegiado, inaugurado pelo Decreto-lei 288/1967 e cristalizado no artigo 40 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição da República.

[1] A partir de 01.02.2004, por força da Lei 10.833/2003, artigo 14, o mencionado direito de ressarcimento do PIS e da Cofins não se aplica em relação a empresas sujeitas ao regime não cumulativo dessas contribuições, posto que as mesmas já se apropriam dos créditos dessas contribuições sobre os valores de suas aquisições. Todavia, ainda, hoje, para as empresas optantes ou vinculadas obrigatoriamente ao regime cumulativo do PIS e da COFINS, quando exportam, há esse direito de ressarcimento do PIS e COFINS pagos no mercado interno sobre todos os seus insumos, na forma do crédito presumido do IPI.

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.