x

ARTIGO DE ECONOMIA

Um plano de longo prazo para a indústria no Brasil

Neste artigo, o especialista explica o cenário da indústria nacional e quais melhorias devem ser feitas para mudar a situação atual.

06/10/2022 17:00:01

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp
Um plano de longo prazo para a indústria no Brasil

Um plano de longo prazo para a indústria no Brasil Pexels

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) liberou os dados da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF) de agosto, a qual apontou queda do setor de 0,6% em relação a julho deste ano, mas um aumento de 2,8% em comparação ao mesmo mês do ano passado. 

Contudo, não foram estes números que chamaram a atenção. O setor está 1,5% aquém do nível pré-pandemia e 17,9% inferior ao seu pico, que foi em maio de 2011.

É assustador imaginar que a indústria nacional esteja 20% abaixo do patamar de mais de dez anos atrás, ou seja, houve uma retração absurda da produção industrial física na última década. Este fato, obrigatoriamente, nos mostra a necessidade de uma ponderação das causas e como podemos priorizar políticas públicas para solucionar este problema.

Antes de tudo, temos de admitir que a reversão do quadro não se faz no curto prazo. Sabemos que existem formas de melhorar imediatamente estas condições:

  • Diminuição de impostos;
  • Facilitação no pagamento de tributos;
  • Atenuação da burocracia;
  • Aprofundamento da Reforma Trabalhista;
  • Estabilidade no ambiente macroeconômico

Entretanto, apesar de tudo isso exercer um impacto imediato na produção, ainda não dá a consistência necessária para o crescimento sustentável.

A primeira ação de longo prazo, e que deve ser tratada com urgência, é a inserção da indústria brasileira na cadeia global de produção. 

Diante de uma divisão de mundo baseada em dois blocos, Estados Unidos e China, já perdemos uma grande chance de fornecer equipamentos para o Ocidente, já que não temos tecnologia para isso. 

É preciso abertura comercial, para que as empresas brasileiras possam comprar essa tecnologia e vender produtos dentro da cadeia. O professor Edmar Bacha é autor de um extenso trabalho neste sentido, o qual poderia ser usado como base para o início do ciclo.

O segundo ato é a integração entre universidades e o mercado. O Brasil não tem tradição de fazer pesquisa direcionada à produção, seguindo um viés mais acadêmico. Claro que a pesquisa acadêmica não deve acabar, mas é necessário fomentar a pesquisa útil para o dia a dia empresarial. 

O Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) vem desempenhando um papel pioneiro na junção de pós-graduação strictu sensu com as necessidades da iniciativa privada, mediante pesquisas financiadas, pelas próprias empresas, em busca de inovação. É o caminho a ser seguido.

E, por fim, é preciso um direcionamento de recursos do Estado para os setores mais importantes ao desenvolvimento, elegendo, com a sociedade, aqueles que são vitais num mundo onde a tecnologia é essencial. 

E que fique claro: nenhum país se torna eficiente na produção tecnológica da noite para o dia. Neste caso, sem dúvida, podemos aprender um pouco com a China.

Em suma, precisamos de um planejamento traçado com cuidado e parcimônia, visando a objetivos claros e com indicadores definidos de progressão.

É imperativo que o próximo governo trate o assunto de maneira séria e ordenada, a fim de se evitar uma queda maior do setor na próxima década.

Leia mais sobre

O artigo enviado pelo autor, devidamente assinado, não reflete, necessariamente, a opinião institucional do Portal Contábeis.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ARTICULISTAS CONTÁBEIS

VER TODOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.