x

CONTEÚDO Legislações

adicionar aos favoritos

Maranhão

Fazenda introduz alteração no Regulamento do ICMS

Resolução Administrativa SEFAZ 17/2016

Estas modificações no Decreto 19.714, de 10-7-2003 - RICMS-MA, estabelecem novas hipóteses de suspensão e de cancelamento da inscrição no CAD/ICMS, na forma que indica.

21/08/2016 14:24:43

2.045 acessos

RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA 17 SEFAZ, DE 28-7-2016
(DO-MA DE 10-8-2016 - PUBLICAÇÃO ORIGINAL NO DO-MA DE 2-8-2016)

REGULAMENTO - Alteração

Fazenda introduz alteração no Regulamento do ICMS
Estas modificações no Decreto 19.714, de 10-7-2003 - RICMS-MA, estabelecem novas hipóteses de suspensão e de cancelamento da inscrição no CAD/ICMS, na forma que indica.


O SECRETÁRIO DE ESTADO DA FAZENDA, no uso de suas atribuições, e tendo, e,
Considerando que o art. 5° da Lei nº 9.379, de 18 de maio de 2011, permite que o Chefe do Poder Executivo, mediante decreto, autorize o Secretário de Estado a dispor sobre obrigações acessórias relativas a tributos estaduais, e que o Decreto no 27.504, de 28 de junho de 2011, dispõe sobre a referida autorização, determinando que a incorporação à legislação estadual das normas supracitadas seja realizada por Resolução Administrativa,
Considerando, ainda, o disposto nos §§ 3°, 4° e 6° do art. 66 da Lei nº 7.799, de 19 de dezembro de 2002,
RESOLVE:
Art. 1º Alterar o Regulamento do ICMS - RICMS/03, aprovado pelo Decreto nº 19.714, de 10 de julho de 2003, para atualizá-lo e instituir novas hipóteses de suspensão de ofício e de cancelamento da inscrição no Cadastro de Contribuintes do ICMS - CAD/ICMS, na forma do disposto nesta Resolução Administrativa.
Art. 2º Os dispositivos do RICMS/03, abaixo referenciados, passam a vigorar com a seguinte redação:
I - os incisos I, II e III do § 1° do art. 99:
"Art. 99. (...)
§ 1º (...)
I - não apresentar declaração de informação por quarenta dias consecutivos;
II - no momento que exceder, no ano calendário, em volume de compras, valor correspondente a:
a. R$ 4.000.000,00 (quatro milhões de reais), quando se tratar de microempresa ou empresa de pequeno porte enquadrada no SIMPLES Nacional;
b. R$ 120.000,00 (cento e vinte mil reais), quando se tratar de empresário enquadrado como Micro Empreendedor Individual – MEI (Lei Complementar 123/06).
III - atraso no pagamento do ICMS por período superior a quarenta dias.
(...)"
II - os incisos II a VI do art. 100:
"Art. 100. (...)
I - (...);
II - comprovada a inexistência do estabelecimento no local para o qual foi obtida a inscrição;
III - constatada que as instalações físicas do estabelecimento do contribuinte forem incompatíveis com a atividade econômica pretendida, salvo se, pela tipicidade da natureza da operação, não devam as mercadorias por ali transitar, conforme previsto em contrato social ou requerimento do empresário;
IV - não comprovada a capacidade econômica e financeira do titular ou sócios em relação ao capital declarado ou à atividade pretendida;
V - não comprovada a integralização do capital social declarado;
VI - quando, dentro das hipóteses do inciso IV, verificado que o volume de compras do empresário enquadrado como Micro Empreendedor Individual - MEI (Lei Complementar 123/06) ultrapassou o valor de R$ 180.000,00 (cento e oitenta mil reais) no ano-calendário, ou, em se tratando de empreendedor em início de atividade, o volume de compras ultrapasse o valor proporcional calculado na forma do § 3o do art. 99."
Art. 3º Fica acrescentado, com a redação a seguir, os incisos V, VI, VII e VIII ao § 1o, bem como os §§ 3o e 4o ao art. 99 do RICMS/03:
"Art. 99. (...)
§ 1o (...)
(...)
IV - ficar comprovada simulação de realização de operações ou prestações;
V - fizer a retenção e não recolher o imposto de sua responsabilidade, quando configurar como substituto tributário na forma determinada na legislação tributária;
VI - devidamente notificado, recusar-se, por duas vezes consecutivas, a fornecer os documentos solicitados para fins de ação fiscal;
VII - a não utilização do Emissor de Cupom Fiscal nos casos obrigatórios.
(...)
§ 3º Para efeitos das hipóteses previstas no inciso II, tratando-se de empresa ou empreendedor em início de atividade, a suspensão da inscrição poderá ser feita quando o volume de compras apurado ultrapasse ao valor correspondente a 1/12 (um doze avos), multiplicado pelo número de meses de funcionamento no período, do limite estabelecido no dispositivo referenciado.
§ 4º No que tange ao disposto no inciso II do caput e no § 3o, a inscrição poderá ser restabelecida se, a requerimento do interessado, e sem prejuízo do pagamento do imposto, for comprovado pelo Fisco que o contribuinte, conforme o caso, obedece às condições para exclusão do regime de benefício e progressão para o regime normal, ou, mera progressão dentro do próprio regime de benefício, na forma fixada na Lei Complementar 123/2006 e nas Resoluções do Comitê Gestor do SIMPLES Nacional."
Art. 4º Esta Resolução Administrativa entra em vigor na data de sua publicação.
MARCELLUS RIBEIRO ALVES
Secretário de Estado da Fazenda

MATÉRIAS RELACIONADAS
RECEBA CONTEÚDO EM SEU EMAIL cadastrar

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.