x

CONTEÚDO Legislações

adicionar aos favoritos

Trabalho e Previdência

Medida Provisória -8 1630/1998

04/06/2005 20:09:34

596 acessos

Untitled Document

MEDIDA PROVISÓRIA 1.630-8, DE 13-1-98
(DO-U DE 14-1-98)

TRABALHO
TRABALHADOR PORTUÁRIO AVULSO – Contratação

Reedita as normas sobre o trabalho portuário, em substituição à Medida Provisória 1.630-7, de 12-12-97 (Informativo 51/97).

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei.
Art. 1º – Observado o disposto nos arts. 18 e seu parágrafo único; 19 e seus parágrafos; 20; 21; 22; 25 e 27 e seus parágrafos; 29; 47; 49 e 56 e seu parágrafo único, da Lei nº 8.630, de 25 de fevereiro de 1993, a mão-de-obra do trabalho portuário avulso deverá ser requisitada ao órgão gestor de mão-de-obra.
Art. 2º – Para os fins previstos no art. 1º desta Medida Provisória:
I – cabe ao operador portuário recolher ao órgão gestor de mão-de-obra os valores devidos pelos serviços executados, referentes à remuneração por navio, acrescidos dos percentuais relativos a décimo terceiro salário, férias, Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), encargos fiscais e previdenciários, no prazo de 24 horas da realização do serviço, para viabilizar o pagamento ao trabalhador portuário avulso;
II – cabe ao órgão gestor de mão-de-obra efetuar o pagamento da remuneração pelos serviços executados e das parcelas referentes a décimo terceiro salário e férias, diretamente ao trabalhador portuário avulso.
§ 1º – O pagamento de remuneração pelos serviços executados será feito no prazo de 48 horas, após o término do serviço.
§ 2º – Os prazos previstos neste artigo podem ser alterados, mediante convenção coletiva firmada entre entidades sindicais representativas dos trabalhadores e operadores portuários, observado o prazo legal para recolhimento dos encargos fiscais, trabalhistas e previdenciários.
§ 3º – O operador portuário e o órgão gestor de mão-de-obra são solidariamente responsáveis pelo pagamento dos encargos trabalhistas, das contribuições previdenciárias e demais obrigações, inclusive acessórias, devidas à Seguridade Social, arrecadadas pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), vedada a invocação do benefício de ordem.
§ 4º – O pagamento das parcelas referentes a décimo terceiro salário e férias e o recolhimento do FGTS e dos encargos fiscais e previdenciários serão efetuados conforme regulamentação do Poder Executivo, observado o disposto no inciso II, deste artigo.
Art. 3º – O órgão gestor de mão-de-obra manterá o registro do trabalhador portuário avulso cedido ao operador portuário para trabalhar em caráter permanente.
§ 1º – Enquanto durar a cessão, de que trata o caput deste artigo, o trabalhador deixará de concorrer à escala como avulso.
§ 2º – É vedado ao órgão gestor de mão-de-obra ceder trabalhador portuário avulso cadastrado a operador portuário, em caráter permanente.
Art. 4º – É assegurado ao trabalhador portuário avulso, cadastrado no órgão gestor de mão-de-obra, o direito de concorrer à escala diária, complementando a equipe de trabalho do quadro dos registrados.
Art. 5º – A escalação do trabalhador portuário avulso, em sistema de rodízio, far-se-á nos termos da Lei nº 8.630, de 1993.
Art. 6º – Cabe ao operador portuário e ao órgão gestor de mão-de-obra verificar a presença, no local de trabalho, dos trabalhadores constantes da escala diária.
Parágrafo único – Somente fará jus à remuneração o trabalhador avulso que, constante da escala diária, estiver em efetivo serviço.
Art. 7º – O órgão gestor de mão-de-obra deverá, quando exigido pela fiscalização do Ministério do Trabalho e do INSS, exibir as listas de escalação diária dos trabalhadores portuários avulsos, por operador portuário e por navio.
Parágrafo único – Caberá exclusivamente ao órgão gestor de mão-de-obra a responsabilidade pela exatidão dos dados lançados nas listas diárias referidas no caput deste artigo, assegurando que não haja preterição do trabalhador regularmente registrado e simultaneidade na escalação.
Art. 8º – Na escalação diária do trabalhador portuário avulso deverá sempre ser observado um intervalo mínimo de onze horas consecutivas entre duas jornadas, salvo em situações excepcionais, constantes de acordo ou convenção coletiva de trabalho.
Art. 9º – Compete ao órgão gestor de mão-de-obra, ao operador portuário e ao empregador, conforme o caso, cumprir e fazer cumprir as normas concernentes à saúde e à segurança do trabalho portuário.
Parágrafo único – O Ministério do Trabalho estabelecerá as normas regulamentadoras de que trata o caput deste artigo.
Art. 10 – O descumprimento do disposto nesta Medida Provisória sujeitará o infrator às seguintes multas:
I – de R$ 173,00 (cento e setenta e três reais) a R$ 1.730,00 (um mil, setecentos e trinta reais), por infração ao caput do art. 7º;
II – de R$ 575,00 (quinhentos e setenta e cinco reais) a R$ 5.750,00 (cinco mil, setecentos e cinqüenta reais), por infração às normas de segurança do trabalho portuário, e de R$ 345,00 (trezentos e quarenta e cinco reais) a R$ 3.450,00 (três mil, quatrocentos e cinqüenta reais), por infração às normas de saúde do trabalho, nos termos do art. 9º;
III – de R$ 345,00 (trezentos e quarenta e cinco reais) a R$ 3.450,00 (três mil, quatrocentos e cinqüenta reais), por trabalhador em situação irregular, por infração ao parágrafo único do art. 7º e aos demais artigos.
Parágrafo único – As multas previstas neste artigo serão graduadas segundo a natureza da infração, sua extensão e a intenção de quem a praticou, e aplicadas em dobro em caso de reincidência, oposição à fiscalização e desacato à autoridade, sem prejuízo das penalidades previstas na legislação previdenciária.
Art. 11 – O descumprimento dos arts. 22, 25 e 28, da Lei nº 8.630, de 1993, sujeitará o infrator à multa prevista no inciso I, e o dos arts. 26 e 45, da mesma Lei, à multa prevista no inciso III, do artigo anterior, sem prejuízo das demais sanções cabíveis.
Art. 12 – O processo de autuação e imposição das multas previstas nesta Medida Provisória obedecerá ao disposto no Título VII, da Consolidação das Leis do Trabalho ou na legislação previdenciária, conforme o caso.
Art. 13 – Esta Medida Provisória também se aplica aos requisitantes de mão-de-obra de trabalhador portuário avulso, junto ao órgão gestor de mão-de-obra, que não sejam operadores portuários.
Art. 14 – Compete ao Ministério do Trabalho e ao INSS a fiscalização da observância das disposições contidas nesta Medida Provisória, devendo as autoridades de que trata o art. 3º, da Lei nº 8.630, de 1993, colaborar com os Agentes da Inspeção do Trabalho e Fiscais do INSS em sua ação fiscalizadora, nas instalações portuárias ou a bordo de navios.
Art. 15 – Ficam convalidados os atos praticados com base na Medida Provisória nº 1.630-7, de 12 de dezembro de 1997.
Art. 16 – Esta Medida Provisória entra em vigor na data de sua publicação. (FERNANDO HENRIQUE CARDOSO; Mauro Cesar Rodrigues Pereira; Eliseu Padilha; Paulo Paiva e Reinhold Stephanes)

NOTA: A Lei 8.630, de 25-2-93 (Informativo 08/93), estabeleceu normas sobre a exploração dos portos organizados e instalações portuárias.

MATÉRIAS RELACIONADAS
RECEBA CONTEÚDO EM SEU EMAIL cadastrar

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.