x

CONTEÚDO Legislações

adicionar aos favoritos

Maranhão

Fazenda dispõe sobre o monitoramento de grandes contribuintes

Portaria SEFAZ 209/2019

Esta Portaria trata da implantação da sistemática de monitoramento fiscal dos contribuintes do ICMS, considerados grandes contribuintes do Regime normal e da substituição tributária.

18/04/2019 13:31:46

49 acessos

PORTARIA 209 SEFAZ, DE 11-4-2019
(DO-MA DE 16-4-2019)

FISCALIZAÇÃO - Normas

Fazenda dispõe sobre o monitoramento de grandes contribuintes
Esta Portaria trata da implantação da sistemática de monitoramento fiscal dos contribuintes do ICMS, considerados grandes contribuintes do Regime normal e da substituição tributária.


O SECRETÁRIO DE ESTADO DA FAZENDA, no uso de suas atribuições legais, e considerando o disposto nos arts. 542 e 578 do RICMS/MA,
RESOLVE:
Art. 1º Fica instituído a sistemática de monitoramento fiscal dos grandes contribuintes do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação – ICMS do regime normal e da substituição tributária.
Parágrafo único. A atividade de que trata o caput será realizada de forma sistêmica pela unidade fiscal dos grandes contribuintes conforme o fluxo de trabalho definido pela Célula de Gestão da Ação Fiscal/Corpo Técnico para Ação Fiscal/Estabelecimentos.
Art. 2º. São objetivos do monitoramento fiscal dos grandes contribuintes:
I - atuar próximo ao fato gerador da obrigação tributária;
II - conhecer, de forma sistêmica, o comportamento econômico-fiscal dos maiores contribuintes;
III - produzir análises sobre as variações negativas mais relevantes que resultem, ou possam resultar, em queda da arrecadação efetiva ou potencial;
IV - promover iniciativas de conformidade tributária junto aos maiores contribuintes, priorizando ações para autorregularização;
V – promover iniciativas de tratamento diferenciado em razão da conformidade tributária promovido pelo contribuinte em regularidade fiscal continuada.
Art. 3º A atividade de monitoramento fiscal é constituída por análises continuadas, sendo uma de suas funções a indicação dos procedimentos a serem priorizados pela Unidade de Planejamento Controle e Avaliação Fiscal - UPCAF.
Art. 4º Nos processos de trabalho de monitoramento fiscal poderão ser utilizadas informações obtidas interna e externamente.
§ 1º A obtenção de informações externas na atividade de acompanhamento diferenciado poderá ocorrer por meio de:
I - fonte pública de dados e informações;
II - contato por meio do domicilio tributário eletrônico – DTE;
III - procedimento fiscal de solicitação de informações, com envio ao contribuinte do Termo de Solicitação de Informações Fiscais – TSINF;
IV – reunião presencial;
§ 2º Não se caracteriza início de procedimento fiscal e perda da espontaneidade as formas de contato previstas nos incisos II e III e IV do § 1º.
§ 3º A reunião presencial tem por objetivo, além de obter informações externas, prestar orientações ao contribuinte visando à conformidade tributária.
§ 4º Quando as informações não forem satisfatórias, ou o contribuinte não as prestar, poderá ser formalizado o início do procedimento fiscal, mediante ciência do contribuinte, ficando afastada a espontaneidade em relação ao tributo, ao período e à matéria expressamente inseridos no termo fiscal.
Art. 5º A atividade de monitoramento da arrecadação dos maiores contribuintes servirá para comparar o perfil de arrecadação de contribuintes, inclusive em relação aos demais que integram o respectivo segmento ou setor econômico ou que atuem sob a forma de grupo econômico.
Art. 6º A atividade de monitoramento fiscal dos maiores contribuintes compreenderá também, entre outras:
I - identificar todos os créditos tributários exigíveis ou com exigibilidade suspensa;
II - identificar as demandas relativas a declarações de com¬pensação ou de pedidos de restituição, ressarcimento ou reembolso; e
III - gerenciar planos de ações e metas.
Art. 7º Para a definição dos contribuintes sujeitos ao monitoramento fiscal de que trata essa portaria, podem ser levados em consideração as seguintes informações fiscais:
I – Recolhimento do ICMS, do Fundo de Combate a Pobreza - FUMACOP, do Fundo de Desenvolvimento Industrial – FDI e do Fundo de Desenvolvimento Humano – FDH;
I – Faturamento;
II – Entradas;
III – Notas fiscais de entrada;
III – Notas fiscais de saída;
IV – Registros de passagem de entrada do estado do maranhão;
V – Não registro de passagem de saída do estado do maranhão;
VI – Não escrituração fiscal por parte das empresas destinatárias localizadas em outros estados referentes às operações com passagem pelo território do estado do maranhão;
Art. 8º Para fins do disposto no art. 7° serão submetidos ao Monitoramento Fiscal a ser realizado, sucessivamente, nos anos de 2019 e 2020 as empresas que:
I – no exercício de 2018 e 2019, sucessivamente, tenham recolhido ICMS e FUMACOP superior a 2.200.000,00 (dois milhões e duzentos mil reais)
II – no exercício de 2018 e 2019, sucessivamente, tenham realizado faturamento superior a 88.000.000,00, mesmo que não te¬nha superado o limite de recolhimento previsto no inciso anterior;
III – no exercício de 2018 e 2019, sucessivamente, tenham realizado compras acima de 65.000.000,00 (sessenta e cinco milhões) e que não tenham atingido os limites de recolhimento previstos nos incisos anteriores;
§ 1º A Célula de Gestão para Ação Fiscal – CEGAF/ Corpo Técnico para Ação Fiscal/Estabelecimentos poderá utilizar outros critérios de interesse fiscal para inclusão de contribuintes sob monitoramento fiscal;
Art. 9º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
Art. 10º Ficam revogadas as disposições em contrário.
MARCELLUS RIBEIRO ALVES
Secretário de Estado da Fazenda

MATÉRIAS RELACIONADAS

RECEBA CONTEÚDO EM SEU EMAIL

cadastrar

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.