x

CONTEÚDO Legislações

adicionar aos favoritos

Distrito Federal

DF institui declaração do ITCD

Instrução Normativa SEF 7/2019

Esta Instrução Normativa institui a Declaração Eletrônica de ITCD - DEITCD e estabelece as hipóteses e condições para a sua utilização para fins de cálculo e recolhimento do ITCD.

07/05/2019 11:47:08

930 acessos

INSTRUÇÃO NORMATIVA 7 SEF, DE 3-5-2019
(DO-DF DE 7-5-2019)

ITCD - Declaração

Distrito Federal institui a Declaração Eletrônica do ITCD
Esta Instrução Normativa institui a Declaração Eletrônica de ITCD - DEITCD e estabelece as hipóteses e condições para a sua utilização para fins de cálculo e recolhimento do ITCD, conforme previsto na Portaria 153 SEF, de 24-4-2019.


O SUBSECRETÁRIO DA RECEITA, DA SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA, PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições previstas no art. 107 da Lei nº 4.567, de 9 de maio de 2011, e tendo em vista o disposto no § 4º do art. 4º da Lei nº 3.804, de 8 de fevereiro de 2006, e na Portaria nº 153, de 24 de abril de 2019, resolve:
Art. 1º Fica instituída a Declaração Eletrônica de ITCD - DEITCD, cuja utilização, para fins de cálculo e recolhimento do Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos - ITCD, dar-se-á nas hipóteses e condições estabelecidas nesta Instrução Normativa.
Art. 2º O contribuinte do Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos - ITCD poderá acessar a DEITCD por meio do Portal de Serviços da Receita do Distrito Federal (www.receita.fazenda.df.gov.br) na internet, com a utilização de certificado digital ou de login/senha.
§ 1º O acompanhamento do processamento da DEITCD, será realizado no próprio aplicativo.
§ 2º Caso o declarante não seja o contribuinte do imposto ou o inventariante, deverá atuar por meio de mandato outorgado pelo contribuinte elencado no art. 10 da Lei nº 3.804, de 8 de fevereiro de 2006, nos termos da Instrução Normativa nº 04, de 22 de outubro de 2014, mantendo a procuração sob sua guarda e à disposição do fisco pelo prazo decadencial.
Art. 3º A DEITCD poderá ser utilizada facultativamente na hipótese de sucessão legítima, quando o ITCD causa mortis não estiver vencido e desde que inexista testamento ou dívidas dedutíveis do espólio a declarar.
Art. 4º Somente será considerada entregue e recepcionada pela Subsecretaria da Receita a declaração que retornar o status ENVIADA.
§ 1º Após o envio da DEITCD, o Documento de Arrecadação - DAR ficará disponível ao sujeito passivo no aplicativo, que efetuará o pagamento conforme o art. 3º da Portaria nº 153, de 24 de abril de 2019, sob pena de inscrição do débito em dívida ativa.
§ 2º O DAR gerado pela DEITCD consolidará o imposto relativo a todos os contribuintes.
§ 3º No caso de discordância com o valor calculado pelo aplicativo, o contribuinte, ou o seu representante, deverá impugnar o lançamento, nos termos do § 2º do art. 2º da Portaria nº 153, de 24 de abril de 2019.
§ 4º As declarações iniciadas e não enviadas permanecerão com status EM ELABORAÇÃO e serão canceladas após trinta dias.
Art. 5º O declarante deverá seguir as instruções de preenchimento disponibilizadas para download na própria DEITCD.
Art. 6º O declarante deverá prestar as informações solicitadas quanto à identificação pessoal dos contribuintes, do inventariante e do falecido/inventariado e quanto aos dados do inventário, obedecendo as regras do Código Civil vigente na data do óbito do falecido/inventariado e as condições estabelecidas para o lançamento por meio do aplicativo DEITCD.
Art. 7º O declarante deverá informar nos campos próprios da DEITCD a relação de todos os bens, direitos, títulos e créditos, conforme discriminado no campo "Instrução de Preenchimento" da DEITCD, observando a seguinte classificação:
I - imóveis urbanos sujeitos a inscrição no Cadastro Imobiliário Fiscal do Distrito Federal - CI/DF;
II - veículos cadastrados no DETRAN-DF (RENAVAM e placa);
III - contas bancárias e aplicações financeiras;
IV - joias, objetos de ouro e prata, obras de arte e outros bens móveis;
V - participações em empresas;
VI - imóveis localizados em outra Unidade da Federação;
VII - imóveis rurais localizados no Distrito Federal;
VIII - ações e demais títulos representativos de valores mobiliários;
IX - títulos de clubes e assemelhados;
X - semoventes; e
XI - demais bens, direitos, títulos e créditos não listados nos incisos anteriores.
§ 1º Os bens serão avaliados na data da elaboração da DEITCD.
§ 2º Em relação ao inciso III do caput, o valor será o constante de extrato bancário emitido no prazo máximo de trinta dias acrescido dos saques/retiradas ocorridos após a data do óbito, se for o caso.
§ 3º Em relação ao inciso V do caput, o valor das quotas será obtido levando em consideração o valor do Patrimônio Líquido obtido no último Balanço Patrimonial anterior à data do óbito do falecido/inventariado ou elaborado excepcionalmente na data do óbito.
Art. 8º A impressão da DEITCD, acompanhada do DAR gerado e consolidado pelo aplicativo e pago, é documento hábil para comprovação do recolhimento do imposto.
§ 1º O DAR consolidado poderá ser desmembrado em documentos de arrecadação individualizados por sucessores por meio de funcionalidade disponível no Portal de Serviços da Receita do Distrito Federal (www.receita.fazenda.df.gov.br).
§ 2º O Termo de Quitação disponibilizado no Portal de Serviços da Receita do Distrito Federal tem o efeito de comprovação do pagamento do imposto.
Art. 9º Para efeito do inciso I do art. 9º do Decreto nº 34.982, de 19 de dezembro de 2013, a DEITCD acompanhada do DAR emitido pelo aplicativo disciplinado nesta Instrução Normativa e pago é equivalente a documento original comprovante do recolhimento do imposto.
Art. 10. Esta Instrução Normativa entra em vigor na data da sua publicação.
OTÁVIO RUFINO DOS SANTOS
MATÉRIAS RELACIONADAS
RECEBA CONTEÚDO EM SEU EMAIL cadastrar

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.