x

Governo tenta frear inflação cortando gastos

O governo já havia feito um corte de R$ 28 bilhões em maio, mas pretende fazer um novo corte entre R$ 15 bilhões e R$ 20 bilhões.

03/07/2013 12:44:42

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp
Governo tenta frear inflação cortando gastos

Na tentativa de auxiliar o Banco Central a segurar a alta de preços, o Governo - preocupado com a queda acima do esperado da produção industrial e com a inflação ainda elevada em junho - decidiu que fará um novo bloqueio de despesas do Orçamento.

O governo já havia feito um corte de R$ 28 bilhões em maio, e ainda está analisando o valor do novo corte, que poderá ser entre R$ 15 bilhões e R$ 20 bilhões. De acordo com assessores, esse é um valor suficiente para cumprir a meta de superavit primário de 2,3% do PIB.

Ainda de acordo com assessores, uma das razões apontadas pela equipe econômica sobre o fraco crescimento no início deste ano, foi causada pela inflação em patamar elevador. Mais um motivo para combater novos gastos.

Em avaliação, técnicos apontaram um recuo de 2% na produção industrial no mês de maio, o que preocupou o governo, que esperava uma queda de 1% e não seria tão disseminada.

Dados do IBGE apontam que 20 dos 27 setores da indústria registraram queda em maio na comparação ao mês anterior, inclusive o de bens de capital, o que pode sinalizar uma redução na taxa de crescimento de investimentos.

A presidente Dilma já programa uma próxima reunião com os pesos-pesadoos da economia para debater o atual cenário e analisar o que pode ser feito para tornar o crescimento mais rápido.

Para este ano, o Governo espera um crescimento de 3%. Porém, teme que o cenário internacional adverso, que pressiona o valor do dólar, e a onda de protesto façam o país crescer em média 2% neste ano.

Fonte: Folha de São Paulo

Leia mais sobre

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ARTICULISTAS CONTÁBEIS

VER TODOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.