x

Governo pretende reduzir tributos sobre funcionário

Segundo declaração do ministro Guido Mantega, serão cortados os encargos que as empresas recolhem para a Previdência SocialO

08/07/2009 00:00:00

1,5 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Segundo declaração do ministro Guido Mantega, serão cortados os encargos que as empresas recolhem para a Previdência Social


O governo do Brasil prepara uma redução de encargos sobre o emprego no País, como parte de um pacote de medidas para impulsionar a produtividade e o crescimento econômico. A declaração, publicada nesta segunda-feira (06) no site do jornal britânico Financial Times, foi feita pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Ele declarou que as empresas deixarão de recolher os tributos referentes à Previdência Social, "sem que isso infrinja os direitos trabalhistas". Para tanto, o ministro informou que a receita contará com outras medidas, sobre as quais não entrou em detalhes.

"Temos a chance de transformar a crise econômica mundial em uma oportunidade. Estas medidas vão permitir que muitas indústrias possam competir nos mercados mundiais", explicou Mantega ao jornal, que destacou algumas das posturas que o governo já adotou para estimular a economia.

Dentre elas foi colocada a liberação de R$ 100 bilhões na economia com mudanças nas regras do recolhimento compulsório feito pelos bancos, de mais R$ 100 bilhões em recursos adicionais para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para veículos, caminhões, eletrodomésticos, materiais de construção, além de geladeiras, fogões, máquinas de lavar e tanquinhos.

O ministro mencionou que o País tem adotado algumas medidas de curto prazo para impulsionar a economia no período de crise, mas que também já pensa no "pós-crise", como a redução de custos da indústrias.

De acordo com o jornal, o custo das medidas adotadas anteriormente, combinado à queda das receitas fiscais, tem empurrado o governo para o vermelho depois de anos de superávits primários (receitas menos despesas, sem contar os pagamentos da dívida). Além disso, há preocupação de que o aumento salarial, sobretudo no setor público, possa sobrecarregar as contas públicas, que já necessitam de reforma.

Fonte: Financial Web

Enviado por: Wilson Fernando A. Fortunato

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.

Inscritos no CONBCON 2021 ganham prêmios.

Inscreva-se e compartilhe

Salve a imagem e compartilhe em suas redes sociais.

Ajude a divulgar o nosso Congresso de Contabilidade.

Inscreva-se e compartilhe

Salve a imagem e compartilhe em suas redes sociais.

Ajude a divulgar o nosso Congresso de Contabilidade.

Inscreva-se e compartilhe

Salve a imagem e compartilhe em suas redes sociais.

?>