x

Tributos afetam imagem

O economista José Roberto Afonso, assessor técnico parlamentar da Câmara dos Deputados pelo PSDB e ex-secretário de relações fiscais do Banco Nacional de Desenvolvimento

24/02/2005 00:00:00

3,8 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

O economista José Roberto Afonso, assessor técnico parlamentar da Câmara dos Deputados pelo PSDB e ex-secretário de relações fiscais do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES), acredita que sobrecarregar com impostos setores importantes para o emprego no país, como serviços, por exemplo, é uma ""sinalização contrária"" ao bom resultado da economia e ao que se espera para o futuro. - Sistematicamente, vêm se aumentando os impostos sobre o setor de serviços, que é o que mais gera empregos na economia brasileira e mundial - comentou, referindo-se à MP 232, que aumenta de 32% para 40% a base de cobrança do imposto de renda e da CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido) para os prestadores de serviço. O economista ressaltou ainda que os prestadores de serviços que mais arrecadam impostos ao governo conseguem repassar os custos de um aumento nos tributos para o preço dos serviços. Já os pequenos, diz ele, não conseguem passar o peso extra do aumento para o consumidor final. O pequeno empreendedor acaba por optar pela sonegação, informalidade ou mesmo demissão de parte de seus funcionários, já que não tem como reduzir sua já pequena margem de lucro. - Depois o governo não sabe porque a classe média baixa, que votou maciçamente no Lula, está ficando irritada com ele - criticou. O economista alertou ainda que, com a sobrecarga de impostos para as empresas de serviços, um dos prejudicados é o próprio governo, já que é um expressivo contratante de serviços.

Fonte: JB On-Line

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.