x

Governo tem dinheiro para pagar salário mínimo de R$ 510, garante ministro

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, afirmou hoje (22) que há recursos em caixa para elevar o valor do salário mínimo de R$ 465

22/12/2009 00:00:00

1,6 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, afirmou hoje (22) que há recursos em caixa para elevar o valor do salário mínimo de R$ 465 para R$ 510. Segundo ele, a decisão cabe ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com quem o ministro se reúne no fim da tarde.

"Fizemos alguns ajustes e o relator [Geraldo Magela (PT-DF)] também contribuiu quando colocou isso [a sugestão do aumento] na proposta do Orçamento."

De acordo com o ministro, o projeto inicial do governo previa o valor reajustado de R$ 507, porém a proposta do Orçamento trouxe o valor de R$ 510. Assim, o gasto para cobrir esta diferença será de R$ 600 milhões. "Muitos aposentados sacam o benefício nos caixas eletrônicos dos bancos. Seria muito difícil pagar um valor ''quebrado''. O valor de R$ 510, embora tenha um impacto maior nas contas, resolve esse problema."


Ele disse que na mesma edição do Diário Oficial da União em que será publicado o reajuste do mínimo será divulgado também o aumento concedido aos aposentados. Apesar de ainda não haver acordo com as entidades de classe, o aumento real será em torno de 2,5%. "É um reajuste equivalente à inflação mais metade do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do ano passado, de 5,1%."

O ministro falou há pouco, antes de se reunir com o ministro da Fazendo, Guido Mantega, para repassar as últimas negociações do governo com o Congresso no ano de 2009.

Fonte: Agência Brasil

Enviado por: Wilson Fernando de A. Fortunato

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.