x

Contribuinte faz correção de dados para receber logo a restituição

A Receita Federal recebeu em dezembro 157 mil declarações retificadoras do Imposto de Renda. Esse montante é quase o dobro da média mensal registrada anteriormente,

05/01/2006 00:00:00

1,9 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

A Receita Federal recebeu em dezembro 157 mil declarações retificadoras do Imposto de Renda. Esse montante é quase o dobro da média mensal registrada anteriormente, que variava de 60 mil a 90 mil retificações. O salto ocorreu a partir do dia 9 de dezembro, quando a Receita passou a informar o motivo da retenção da declaração de 2005 (ano-base 2004) na malha fina pela Internet. Antes disso, a Receita recebia, em média, 3 mil retificações diárias. Após a modificação no sistema de consulta, a média saltou para 10 mil. Como o contribuinte passou a saber o motivo que o levou a ficar preso em malha, ele se apressou para corrigir a declaração e enviar uma retificação. A média deverá ser mantida nos próximos meses. Essa estabilidade deve ocorrer porque os contribuintes que ficaram retidos em malha por um motivo de fácil solução, como divergência nas deduções com despesas médicas, puderam se apressar e apresentar em dezembro uma declaração retificadora. Os contribuintes podem consultar na página da Receita (www.receita.fazenda.gov.br) o "Extrato Simplificado do Processamento", que indica o motivo de inclusão da declaração em malha fina. Para isso, é preciso informar o número do CPF e o recibo de entrega do documento. Os principais motivos que levam à malha fina são omissão de rendimentos próprios, de dependentes ou provenientes de aluguel, diferença de valores entre a fonte pagadora e a declaração do contribuinte e deduções exageradas com despesa médica.

Fonte: DCI

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.