x

Governo sinaliza positivamente para correção da tabela

Uma matéria publicada no jornal carioca O Globo desta segunda-feira (24/1) informa que a presidenta Dilma Rousseff propôs um reajuste da tabela do Imposto de Renda

25/01/2011 14:11:08

1,5 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Uma matéria publicada no jornal carioca O Globo desta segunda-feira (24/1) informa que a presidenta Dilma Rousseff propôs um reajuste da tabela do Imposto de Renda de Pessoa Física pelo índice da inflação de 2010 (6,46%), desde que a concessão tenha, em contrapartida, a aceitação do salário mínimo de R$ 545,00. De acordo com o jornal, no máximo, admite-se internamente no governo que o mínimo chegue a R$ 550,00, mas não aos R$ 580,00 pleiteados pelas centrais sindicais.

A posição da presidenta será apresentada, nesta segunda-feira, em reunião com o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho. O ministro foi demandado a negociar com os movimentos sociais. Na quarta-feira (26/1), Carvalho receberá representantes das seis centrais sindicais no Palácio do Planalto, quando será aberta oficialmente a negociação do governo Dilma com os representantes dos trabalhadores.

Segundo o jornal, nas discussões internas, a presidenta reconhece que é legítima a correção da tabela do imposto de renda pelo índice da inflação, de 6,46%. A reportagem cita que, de acordo com os cálculos do Sindifisco Nacional, de 2007 até 2010, a defasagem da tabela ainda está em 64,1% frente aos valores de 1995.

Até 2010, as faixas de rendimento sobre as quais incidem as alíquotas do Imposto de Renda (as tabelas) estavam sendo corrigidas em 4,5%. Se a tabela não for corrigida em 2011 (com efeito na declaração que será feita em 2012), o IR a ser pago pelo contribuinte será ainda maior.

De acordo com a matéria do jornal carioca, dentro do esforço fiscal para evitar novos gastos e diante da necessidade de um gigantesco corte orçamentário, que pode passar de R$ 30 bilhões, a correção da tabela seria a única concessão que Dilma estaria disposta a fazer nas negociações.

Os dirigentes das centrais sindicais elogiaram a decisão da presidenta Dilma de chamá-los para o diálogo, mas ainda mantêm a intenção de fazer uma grande mobilização nacional, caso não haja acordo.

Fonte: Sindifisco Nacional

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.