x

IPO do LinkedIn será termômetro de bolha no setor

Para diretor de portfolio da Ideiasnet, investidores continuarão buscando investimentos de internet no Brasil em 2011.A rede social voltada a contatos profissionais

08/02/2011 10:50:14

1,4 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Para diretor de portfolio da Ideiasnet, investidores continuarão buscando investimentos de internet no Brasil em 2011.

A rede social voltada a contatos profissionais LinkedIn encerrou as especulações e entrou com pedido para abrir capital. Para muitos, a primeira de uma fila que conta com Facebook e Groupon na sequência.

Trata-se de um combustível adicional para o debate sobre uma eventual nova bolha de tecnologia na Bolsa de Nova York.

Há mais de 15 anos atuando como investidor focado em empresas embrionárias de tecnologia nos Estados Unidos e no Brasil, Michael Nicklas entende que a operação pode sinalizar se a indústria passa por uma euforia exagerada.

Particularmente, ele não acredita ser esse o caso desta vez. "O LinkedIn é um negócio sólido, com nichos de receitas diversificados, gera lucro e tem um histórico de crescimento impressionante", disse Nicklas, que se tornou neste ano diretor de portfolio da brasileira Ideiasnet.

Confira a seguir trechos da conversa tida com o Brasil Econômico:

A abertura de capital do LinkedIn é a primeira de uma série de IPOs de empresas da web 2.0 nos EUA?

Desde a crise em 2008, o mercado financeiro tem sido pouco receptivo a novas ofertas públicas de capital gerando assim um acúmulo de demanda.

As seguintes empresas, na minha opinião, seriam candidatos fortes: Zynga, Facebook, GroupON, Zillow, Glam Media, Gilt Group, Skype, Associated Content e BrightCove.

Importante também lembrar que a Demand Media e a Nielsen lançaram IPOs recentemente que foram bem recebidos.

O resultado da oferta de ações do LinkedIn pode mostrar a existência de uma bolha no setor?

Na minha opinião, o LinkedIn é um negócio sólido, com nichos de receitas diversificados, gera lucro e tem um histórico de crescimento impressionante.

Tem uma posição forte perante os concorrentes dada a natureza de "Winner Takes All" ("O Vencedor Leva Tudo", termo designado quando a empresa está estabelecida em um setor no qual é muito difícil um novo concorrente entrar) do segmento onde ela atua. Se todos já estão em uma rede de negócios, por que entrar em outra?

Por essas razões creio que o LinkedIn pode comandar fundamentos fortes na bolsa. Porém múltiplos muito acima da média do setor poderão sinalizar uma tendência de bolha no mercado.

Outro indicador de bolha seria companhias sem faturamento tentando abrir capital. Por enquanto não é o caso.

Como as empresas startups do Brasil ficam nesse movimento?

As empresas startups no Brasil já vinham aproveitando o bom momento macroeconômico do país que tem chamado a atenção de investidores estrangeiros.

Creio que investidores, tantos nacionais como estrangeiros, continuarão buscando investimentos de internet no Brasil em 2011.

Vimos várias vendas de startups brasileiras recentemente, por exemplo duas do portfolio da Ideiasnet: a NetMovies que foi vendida em dezembro para a Tiger Global de Nova York e a MediaFactory que foi comprada pela holding francesa, LeadMedia, da Truffle Capital.


Entrevista Realizada por:
Conrado Mazzoni (cmazzoni@brasileconomico.com.br)

Fonte: Brasil Econômico

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.