x

InícioAssinarContatoCursos & EventosDoutrinaLegis & JurisNotíciasSobre

Diante do risco de uma nova queda de braço com as centrais sindicais, o Planalto decidiu acelerar o envio ao Congresso de uma medida provisória para corrigir em

28/02/2011 06:55:31

1,4 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Diante do risco de uma nova queda de braço com as centrais sindicais, o Planalto decidiu acelerar o envio ao Congresso de uma medida provisória para corrigir em 4,5% a tabela do Imposto de Renda (IR).
Logo após a aprovação da proposta do governo de um salário mínimo de R$ 545, no Senado, na noite de anteontem, a presidente Dilma Rousseff determinou ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, elaborar o mais rápido possível o projeto da correção da tabela, para evitar que ganhe força o movimento dos sindicalistas por um percentual maior.

Em entrevista realizada na tarde de ontem no Planalto, o ministro de Relações Institucionais, Luiz Sérgio, disse que a MP da correção da tabela do Imposto de Renda será enviada possivelmente no início da próxima semana. Questionado se o governo não teme um novo embate com as centrais sindicais, Luiz Sérgio disse que o Planalto fez um acordo com os sindicalistas em relação ao tema e vai cumprir o que foi estabelecido, ou seja, os 4,5% de correção. Ele afirmou que a proposta definindo a correção será feita por meio de medida provisória, com o objetivo de garantir que a mudança tenha efeito imediato.
Na entrevista, o ministro Luiz Sérgio disse que a presidente Dilma ficou satisfeita com a aprovação, no Senado, da proposta do salário mínimo. Ele afirmou que o governo não trabalha com a perspectiva de punir cinco senadores da base aliada que votaram contra.

"Estamos satisfeitos porque a grande maioria da base aliada atendeu ao pedido do governo. Esses casos pontuais de dissidência são problemas dos partidos e não do governo", afirmou. Luiz Sérgio voltou a dizer, como nas últimas semanas, que o Planalto não fez barganha para garantir a aprovação do salário mínimo de R$ 545 na Câmara e no Senado.

A uma pergunta sobre se peemedebistas sem cargos, como o ex-ministro de Integração Nacional Geddel Vieira Lima, o ex-prefeito de Goiânia Iris Rezende e o ex-governador da Paraíba José Maranhão, tinham data para assumir postos no segundo escalão federal, ele respondeu: "Isso não tem data para começar. É um processo natural. Não há vinculação entre a aprovação do salário mínimo e a composição do governo".

O ministro Luiz Sérgio aproveitou para tentar desvincular o Planalto das ações de líderes aliados de criar um novo imposto para garantir recursos para a área da saúde. Ele disse que o líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), não está falando pelo governo.


Fonte: Tributário.pro

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.

Ajude a divulgar o nosso Congresso de Contabilidade.

Inscreva-se e compartilhe

Salve a imagem e compartilhe em suas redes sociais.

Ajude a divulgar o nosso Congresso de Contabilidade.

Inscreva-se e compartilhe

Salve a imagem e compartilhe em suas redes sociais.

?>