x

BC vai continuar aumentando juros para segurar a inflação

O Banco Central anunciou a segunda das quatro altas esperadas para este ano na taxa básica de juros (Selic), que passou de 11,25% para 11,75% ao ano, conforme esperado

10/03/2011 12:52:29

1,4 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

O Banco Central anunciou a segunda das quatro altas esperadas para este ano na taxa básica de juros (Selic) , que passou de 11,25% para 11,75% ao ano, conforme esperado pelo mercado financeiro.

O aumento dos juros é parte do trabalho iniciado no final de 2010 para esfriar a economia, colocar um freio no crédito e tentar controlar a inflação, que está hoje no maior nível em seis anos.

Os juros devem continuar subindo pelo menos até o meio do ano e devem chegar a 12,50%.

O BC vive hoje um momento complicado. Diz que é possível trazer a inflação do patamar atual de 6% para um valor mais próximo da meta.

Segundo Eduardo Cucolo, repórter da Folha em Brasília, as previsões do mercado financeiro --que pioram a cada semana-- são de que esse objetivo não será alcançado neste ano, mesmo com a ação do governo.

"Por isso, alguns analistas defendem uma alta maior dos juros, apesar da desaceleração da economia verificada desde o fim de 2010", diz.

No áudio abaixo, o jornalista lembra que antes de aumentar a taxa básica, o BC já havia anunciado restrições a financiamentos ao consumo com prazo superior a 24 meses. Também retirou da economia, em dezembro, a última parte do dinheiro injetado na crise de 2008.

No mês passado, o governo anunciou ainda um corte de R$ 50 bilhões no Orçamento da União.

A próxima reunião do Copom está marcada para o dia 20 de abril e a expectativa é de uma nova alta nos juros de 0,50 ponto percentual.

Fonte: Folha de São Paulo

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.