x

Como banco, orçamento da Finep pode dar salto expressivo

Segundo Marcos Rogério de Souza, assessor da presidência da Finep, orçamento anual pode saltar de R$ 3,5 bilhões para até R$ 40 bilhõesBRASILIA - A transformação

08/04/2011 12:16:48

1,4 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Segundo Marcos Rogério de Souza, assessor da presidência da Finep, orçamento anual pode saltar de R$ 3,5 bilhões para até R$ 40 bilhões

BRASILIA - A transformação da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) em banco público poderá multiplicar os recursos para financiamentos de pesquisas e projetos de inovação e desenvolvimento tecnológico. Segundo Marcos Rogério de Souza, assessor da presidência da Finep, hoje a entidade dispõe de orçamento anual de R$ 3,5 bilhões, mas a possibilidade de captar recursos no mercado poderá elevar esse valor para R$ 30 bilhões ou R$ 40 bilhões por ano.

Segundo ele, com esse valor, os investimentos públicos em pesquisa e desenvolvimento feitos no Brasil ficariam mais próximos dos realizados por países mais desenvolvidos. Souza foi um dos palestrantes no workshop sobre “Inovação e Competitividade”, quinta-feira (7), durante a 19ª Semana de Capacitação do Sebrae. Os estudos para a transformação da Finep em banco público haviam sido confirmados um dia antes, no mesmo evento, pelo assessor especial da Secretaria Executiva do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), Reinaldo Ferraz.

O aumento dos investimentos em inovação e tecnologia vem sendo apontados por especialistas como essenciais para aumentar a competitividade das empresas brasileiras e conferir sustentabilidade ao crescimento econômico que o país está vivendo e deverá continuar experimentando nos próximos anos.

O secretário Nacional de Desenvolvimento Tecnológico do Ministério da Ciência e Tecnologia, Ronaldo Mota, salientou, durante o evento, que o país tem aumentado a formação de mestres e doutores, bem como ampliado a publicação de trabalhos científicos. No entanto, as empresas nacionais ainda investem pouco em inovação e tecnologia.

Para ele, uma cultura empresarial ainda pouco voltada à inovação é a falta, até poucos atrás, de políticas governamentais de apoio explicam esse fenômeno. Mota destacou, no entanto, que o principal fator é o sistema educacional, que não estimula o empreendedorismo e mantém apartadas as pesquisas acadêmicas das necessidades do mercado. “Esse é o gargalo mais grave”, frisou.

ASN

Fonte: Agência Sebrae de Notícias

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.

Ajude a divulgar o nosso Congresso de Contabilidade.

Inscreva-se e compartilhe

Salve a imagem e compartilhe em suas redes sociais.

Ajude a divulgar o nosso Congresso de Contabilidade.

Inscreva-se e compartilhe

Salve a imagem e compartilhe em suas redes sociais.

?>