x

FMI projeta inflação de 6,3% no Brasil para 2011

São Paulo - Apesar de ter reduzido sua projeção, o Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou ontem um cálculo preocupante sobre a inflação no Brasil para

12/04/2011 12:00:11

1,5 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

São Paulo - Apesar de ter reduzido sua projeção, o Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou ontem um cálculo preocupante sobre a inflação no Brasil para este ano. A previsão de alta dos preços ao consumidor em 2011 caiu de 6,9% para 6,3%. Para 2012, a previsão é de inflação a 4,8%. O último levantamento que especificava o Brasil foi feito em outubro do ano passado.

O relatório alerta ainda para novos riscos econômicos, como uma quebra do mercado imobiliário nos países emergentes. Segundo o FMI, essas economias ainda podem surpreender, apresentando aquecimento no curto prazo por causa de políticas macroeconômicas relativamente frouxas. No médio prazo, porém, esses riscos diminuem.

Concomitantemente ao relatório do FMI, o mercado financeiro, por meio do Boletim Focus do Banco Central, ampliou de 6,02% para 6,26% a expectativa da inflação oficial, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), para 2011. Este foi o quinto aumento seguido na estimativa de inflação deste ano. Para o ano de 2012, por sua vez, a previsão do mercado para o IPCA permaneceu estável em 5%.

O relatório do FMI apontou ainda que a economia brasileira deve crescer 4,5% em 2011 e 4,1% em 2012 na comparação anual. A projeção é idêntica à feita em janeiro deste ano pelo Fundo. Segundo o relatório, a retomada global está se movendo em duas velocidades, com maior capacidade ociosa nas economias avançadas e demanda ainda forte em países emergentes. Para as economias avançadas, o cálculo é de expansão econômica de cerca de 2,5% este ano e em 2012.

Karina Nappi

Fonte: Jornal DCI

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.