x

Subcomissão da Reforma Tributária discute decisão do STF contra guerra fiscal

BRASÍLIA - A Subcomissão Especial da Reforma Tributária, criada pela Comissão de Finanças e Tributação da Câmara, se reúne nesta tarde para discutir a recente

07/06/2011 11:21:50

1,5 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

BRASÍLIA - A Subcomissão Especial da Reforma Tributária, criada pela Comissão de Finanças e Tributação da Câmara, se reúne nesta tarde para discutir a recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a guerra fiscal entre os estados.

Na última quarta-feira (1º), o STF decidiu pela inconstitucionalidade da redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) por iniciativa individual dos estados. O tribunal determinou que incentivos fiscais relacionados ao ICMS só podem ser concedidos por meio de convênios firmados pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), que reúne secretários de Fazenda de todos os estados.

No julgamento, o STF derrubou 23 normas estaduais que previam incentivos fiscais por meio da redução do ICMS.

A subcomissão se reúne às 17 horas, na sala da Presidência da Comissão de Finanças.


Emendas à LDO

Durante a reunião, também serão debatidas sugestões de emendas ao projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2012.

A Subcomissão Permanente dos Assuntos Federativos também se reúne hoje, no mesmo local, para analisar propostas de emenda à LDO que possam aumentar a eficiência da execução orçamentária dos convênios com os municípios. A reunião está marcada para as 15 horas.

As subcomissões, no entanto, não têm atribuição de apresentar emendas à LDO. As propostas em análise serão encaminhadas para votação na Comissão de Finanças e Tributação.


Fonte: DCI - Diário Indústria, Comércio e Serviços

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.