x

Profissional liberal terá aumento na tributação

O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, reconheceu na sexta-feira que o aumento da tributação do Imposto de Renda para os agricultores não era o seu objetivo

17/01/2005 00:00:00

4,6 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, reconheceu na sexta-feira que o aumento da tributação do Imposto de Renda para os agricultores não era o seu objetivo quando o governo editou a Medida Provisória 232, que trata da correção da tabela do IR. O ministro reafirmou, no entanto, que não abrirá mão de taxar as empresas prestadoras de serviços, especialmente os profissionais liberais, "por uma questão de justiça", segundo relatou o deputado Augusto Nardes (PP-RS), após audiência com Palocci. Segundo Nardes, Palocci não chegou a assumir o compromisso de retirar da medida provisória o aumento da taxação sobre os pequenos agricultores, mas deu a entender que, nas negociações, o artigo que trata do assunto poderá ser retirado. O ministro admitiu também rever o aumento da taxação sobre alguns setores de serviços previsto na medida provisória. A revisão, no entanto, só será discutida durante a votação da lei geral das micros, pequenas e médias empresas, prevista para este ano, informou o deputado. Entre as categorias a serem incluídas nesta negociação estariam os contadores, representantes comerciais, corretores de seguros e as imobiliárias, que seriam, segundo o deputado, as categorias mais prejudicadas com o aumento da base de cálculo do IR pago pelo lucro presumido das empresas. O deputado vai discutir o projeto com representantes das empresas do setor de serviços no dia 20, quando comunicará a posição do ministro e seu apoio ao projeto da pré-empresa. Líder da Frente Parlamentar da Micro e Pequena Empresa, Nardes recebeu do ministro o pedido para apoiar o projeto de lei que institui a chamada pré-empresa.

Fonte: CRC-SP

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.