x

Governo deve isentar telecomunicações de tributos

O Governo Federal deve estender os benefícios tributários concedidos aos aparelhos tablets para as telecomunicações em geral. O objetivo é desonerar o setor

21/06/2011 09:15:30

1,5 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

O Governo Federal deve estender os benefícios tributários concedidos aos aparelhos tablets para as telecomunicações em geral. O objetivo é desonerar o setor para que a ampliação da rede de fibras óticas seja implementada mais rapidamente, além de baratear aparelhos de transmissão (roteadores e modems).

O ministro das Telecomunicações, Paulo Bernardo, afirmou durante entrevista coletiva que "a orientação que nós temos é de que dentro da política industrial existe também uma seção específica para comunicação e telecomunicações, e pensamos em um regime para desonerar todos os investimentos à construção de redes no Brasil".

As diretrizes que irão nortear a isenção concedida às telecomunicações devem ser definidas dentro de 60 dias, segundo Bernardo. Durante a coletiva ele também afirmou que o governo tem planos para ampliar a oferta de serviços de telefonia e internet para o setor rural. No começo do mês, o ministro anunciou que a partir de julho algumas cidades já irão receber as benesses do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), que possibilitará aos usuários pagar apenas R$ 35 por Mbps contratado.

As primeiras localidades conectadas por meio do PNBL serão Samambaia (DF), Recanto das Emas (DF), Santo Antônio do Descoberto (GO), Anápolis (GO), Senador Canedo (GO) e Aparecida de Goiânia (GO). O PNBL visa levar internet de alta velocidade a 4283 municípios brasileiros até 2014, ano de realização da Copa do Mundo, com uma rede de aproximadamente 30 mil quilômetros

Fonte: administradores.com.br

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.