x

Seis empresas brasileiras vão ter impostos reduzidos

O Ministério de Ciência e Tecnologia (MCT) informou há pouco que seis empresas foram autorizadas a produzir tablets no Brasil com PIS/Cofins e Imposto sobre Produtos

13/07/2011 11:05:19

1,3 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

O Ministério de Ciência e Tecnologia (MCT) informou há pouco que seis empresas foram autorizadas a produzir tablets no Brasil com PIS/Cofins e Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) reduzidos: MXT, Positivo, Samsung, Motorola, Envision e Aiox.

Elas foram as primeiras a se beneficiar da nova legislação fiscal para esses produtos, que incluídas na mesma classificação de computadores pessoais e notebooks.

Desde o anúncio da redução de impostos para os produtos, 15 empresas mostraram interesse na produção do microcomputador portátil com tela sensível ao toque.

Os pedidos de isenção fiscal são analisados pelos ministérios de Ciência e Tecnologia, Fazenda e Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

Para conseguir a aprovação dos três ministérios as empresas têm que se adequar às normas de produção e de nacionalização de componentes dos tablets - explicou o secretário de Políticas de Informática do MCT, Virgilio Almeida.

Ele acredita que, com a redução dos impostos federais, os preços dos tablets poderão cair até 40%. Almeida também destacou que um dos objetivos das novas normas é garantir que o Brasil tenha conhecimento das tecnologias empregadas e que possa desenvolver novos equipamentos de acordo com o avanço das pesquisas.

A isenção fiscal atrai indústrias que procuram países que tenham grandes mercados e que oferecem incentivos como os nossos - ressaltou, lembrando que a expectativa é que, até o fim do ano, a maioria das empresas interessadas na isenção fiscal já esteja produzindo os tablets no país.

Fonte: Agência O Globo

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.