x

Fundos de natureza contábil devem ser inscritos como matriz no CNPJ

O texto do parecer emitido pela Coordenação-Geral de Assuntos Financeiros da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN) na semana passada confirma que os fundos

04/10/2011 17:18:54

2 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

O texto do parecer emitido pela Coordenação-Geral de Assuntos Financeiros da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN) na semana passada confirma que os fundos públicos devem ser inscritos na condição de matriz. O documento ratifica a Instrução Normativa 1.143/2011 da Receita Federal do Brasil (RFB).

De acordo com o disposto na Instrução Normativa RFB 1.143/2011, os fundos públicos que se encontram inscritos no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) , na condição de filial do órgão público vinculados, deverão providenciar nova inscrição no Cadastro, dessa vez na condição de matriz, com a natureza jurídica 120-1, destinada ao Fundo Público.

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) acompanhou, de perto, o processo para que a nova exigência não gerasse ônus aos Municípios brasileiros. Pois a inscrição do CNPJ na condição de matriz poderia trazer obrigações acessórias, e isso preocupava a entidade. Com a emissão da nota técnica 114/2010 a reivindicação foi atendida e o questionamento esclarecido.

A nota explica que no caso de os fundos serem apenas de natureza contábil, sem personalidade jurídica, não há necessidade de cumprimento de outras obrigações acessórias, como a entrega de Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e de Informações à Previdência Social (Gfip) e de Declaração Anual de Imposto de Renda na Fonte (Dirf) .

Parecer na PGFN na íntegra
Confira a Nota RFB 114/2010
Instrução Normativa RFB 1.143/2011

Fonte: CNM

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.