x

Estado reduz pauta dos combustíveis para efeito de base de cálculo do ICMS

A Secretaria de Fazenda de Mato Grosso (Sefaz-MT) reduziu os preços médios ponderados ao consumidor final (PMPF ou pauta fiscal) para os combustíveis, a vigorar a partir de 1º de novembro, para efeito de base de cálculo do ICMS

28/10/2011 07:42:40

1,5 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Os novos valores são resultado de pesquisa extraordinária realizada nos últimos sete dias, devido ao fato de representantes de entidades do comércio varejista de combustíveis, da indústria, da agropecuária, do transporte de cargas e da revenda de gás de cozinha (GLP) terem contestado os preços apurados no último levantamento.

Os valores foram anunciados nesta quarta-feira (26.10) pelo Secretário-adjunto da Receita Pública da Sefaz, Marcel Souza de Cursi, durante reunião com representantes das entidades econômicas mencionadas. Os novos preços são os seguintes: gasolina - R$ 3,01; diesel - R$ 2,30; etanol - R$ 2,10; GNV - R$ 1,76 e GLP - R$ 3,84. "Já encaminhamos as informações ao Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) para que seja providenciada a publicação no Diário Oficial da União", disse o adjunto.

Em relação à pesquisa anterior, cujos preços foram divulgados no Ato Cotepe n° 19/2011, em vigor desde o dia 16 de outubro, Marcel informou que a equipe técnica da Sefaz vai rever o levantamento e, caso haja inconsistências a maior, a diferença será compensada na apuração das próximas pautas fiscais dos combustíveis. "O compromisso da Sefaz é não ter compromisso com o erro. Vamos promover a verificação da exatidão da pesquisa, seguindo o rito legal", reafirmou.

O adjunto da Sefaz explicou que a pesquisa é feita com base em critérios técnicos definidos pelo Confaz e no preço ofertado ao consumidor final. Em Mato Grosso, o levantamento é realizado a cada 15 dias em cerca de 120 estabelecimentos situados nos 50 municípios com maior participação no consumo de combustíveis. Das 27 unidades da Federação, somente São Paulo não utiliza o PMPF como base de cálculo do ICMS.

Participaram da reunião desta quarta-feira representantes do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Bicombustíveis de Mato Grosso (Sindipetróleo), da Associação dos Transportadores de Carga (ATC), do Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas (Sindmat) e do Sindicato de Revendedores de Gás GLP (Siregás). 

Fonte: Secretaria da Fazenda do Estado do Mato Grosso

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.