x

PanAmericano manipulava os dados dos clientes

Banco fazia quem tinha maior risco parecer com perfil melhor para recolher menos dinheiro para cobrir calote. Ex-diretor de crédito disse em depoimento à PF que tentou desmantelar o caso, mas não foi autorizado

31/10/2011 10:10:18

1,6 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

O Banco PanAmericano, além de inflar os balanços financeiros, também "maquiava" a avaliação de risco dos clientes pelo menos desde 2006, segundo depoimento à Polícia Federal de Adalberto Saviolli, ex-diretor de crédito da instituição financeira.

O objetivo era tornar a clientela, aos olhos do Banco Central, com perfil melhor de pagamento, reduzindo assim as despesas com o recolhimento de dinheiro para cobrir eventuais calotes.

Os bancos são obrigados a fazer uma avaliação de risco de cada emprestador, de acordo com histórico de calote, atrasos nos pagamento, renda etc. Os ratings vão de A (melhor pagador possível) a H (inadimplente). De acordo com essa classificação, o banco separa recursos (mais para os piores pagadores e menos para os melhores) para cobrir eventuais calotes.

No depoimento, Saviolli afirma que a "maquiagem" da classificação dos clientes já acontecia quando ele assumiu o cargo, em 2006. Disse que ocorria tanto no banco quanto na empresa de cartão.

Quando ficou sabendo do problema, Saviolli comunicou o caso aos administradores, informando que teria de aumentar esse recolhimento para calote (provisões).

No entanto, a correção não foi autorizada por seus superiores porque iria piorar o resultado financeiro do banco. À época, Saviolli recebeu a ordem de melhorar o sistema de cobrança, trazendo mais pagamentos atrasados e melhorando o perfil de risco dos clientes. A tarefa teria sido cumprida e, mais tarde, foi possível corrigir parte da avaliação de risco dos clientes.

Cartões

O PanAmericano transferiu parte da carteira de clientes do banco para a empresa de cartões do grupo, área com menor risco de a "maquiagem" dos clientes ser pega.
No depoimento, Saviolli disse não ter sido o responsável por essa transferência. A Folha apurou que só Wilson de Aro, ex-diretor financeiro, e Rafael Palladino, ex-presidente do banco, tinham autoridade para fazer isso.

Segundo o advogado Adriano Salles Vanni, Saviolli não sabia do esquema de fraudes envolvendo carteiras de crédito montado no PanAmericano. À PF Saviolli relatou que era responsável só pelo cálculo da avaliação de risco dos clientes e pela concessão de crédito.

O ex-diretor do PanAmericano disse que foi comunicado, em setembro de 2010, pelos administradores do banco que o Banco Central tinha descoberto o rombo contábil. Em novembro, época do socorro, ele e toda a diretoria foram demitidos.

Desde que o caso estourou, no fim de 2010, Saviolli teria se prontificado a colaborar, mas só foi ouvido anteontem. "Enviamos várias petições para que ele fosse ouvido, mas o depoimento só ocorreu no final", afirma Vanni.

Mesmo disposto a colaborar, Saviolli saiu da PF indiciado por crime contra o sistema financeiro. "Ele se sente injustiçado", diz Vanni.

Banco precisa elevar capital em R$ 1 bilhão

O PanAmericano precisa de R$ 1 bilhão para seguir fazendo empréstimos.
Para isso, os sócios Caixa Econômica Federal, BTG Pactual e os minoritários terão de injetar dinheiro. O "Painel" da Folha revelou que a parte da Caixa é de R$ 340 milhões.

O banco está com índice de Basileia, que mede relação entre capital próprio e crédito, em 12,44 (o mínimo é 11). Procurado, o banco disse desconhecer o caso.

Toni Sciarretta
Julio Wiziack
Flávio Ferreira

Fonte: Folha de S.Paulo

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.