Empresarial

Profissão de contador pode ser extinta até em 2025?

Uma pesquisa aponta uma relação de profissões que podem ser extinta até o ano de 2025, e desaparecer até 2030 uma delas é a profissão de contador. Segundo uma matéria publicada no G1 sobre a revolução digital e as profissões que serão extintas.

22/01/2019 09:32:50

8.126 acessos

Profissão de contador pode ser extinta até em 2025?

Uma pesquisa aponta uma relação de profissões que podem ser extinta até o ano de 2025, e desaparecer até 2030 uma delas é a profissão de contador. Segundo uma matéria publicada no G1 sobre a revolução digital e as profissões que serão extintas por máquinas entre elas estão: o auditor e contador. Outra matéria da Revista Veja com título: “Eles vão substituir você” aponta que o curso de Ciências Contábeis pode ser extinto pelo MEC. Após algumas reportagens a atual empresa que organizava o exame de suficiência CONSULPLAN encerrou o contrato com o CFC – Conselho Federal de Contabilidade, o motivo é que aplicar uma prova para um candidato que passa  04 (quatro) anos numa Faculdade e depois uma profissão ameaçada a ser extinta não fazem sentido uma prova chamada “exame de suficiência”.

Técnicos em Contabilidade atuante que possui Diploma de Bacharel em Ciências Contábeis se recusaram a fazer o 1º e o 2º exame de Suficiência aplicado em 2018. Nas redes sociais e fóruns de debate eles alegam é que o CFC (Conselho Federal de Contabilidade) deveria já ter se manifestado sobre o assunto. Um levantamento feito constatou que estes profissionais com categoria de técnico já estão estabilizados no mercado, e cursaram o Bacharel para aprimorar os seus conhecimentos. E já que muitos na época tiveram que prestar o exame para poder atuar como técnicos ambos se acham uma injustiça a submeter novo exame.

Nesse ponto eles e demais especialistas consultado têm o mesmo entendimento, explicam “que uma vez a categoria de técnico extinta, cabe agora o CFC aceitar apenas a mudança de categoria de Técnico para Contador”.

Os avanços da tecnologia empurram o mercado de trabalho para mudanças cada vez mais drásticas e transformadoras. De acordo com uma análise feita pela consultoria Ernst & Young, com base em diversos estudos, reportagem da VEJA, e GLOBO até 2025 umas das profissões a ser substituídas por tecnologia inteligente é a figura do Contador. Em nove anos, há previsão da possível extinção de várias profissões.  

O mecanismo de buscas Will robots take my jobs? (Os robôs tomarão meu emprego?, em tradução livre), baseado em pesquisa de professores da Universidade de Oxford, na Inglaterra, classifica 702 carreiras, em nível mundial, de acordo com a chance de serem automatizadas — processos em que humanos são trocados por tecnologia. Entre as profissões com alto risco de substituição, segundo o estudo, está a de contador e auditor, que obteve índice acima de 90% de chance de automação. Apesar disso, o levantamento projeta um crescimento de 11% na área até 2024. 

Na visão de especialistas atualmente o contador já é menos procurado uma vez que tudo ficou visível e disponível na internet, atualmente existem os portais oferecendo contabilidade digital e o empresário assina um destes sites e pronto. Sua empresa não precisa pagar um contador mensal como antigamente. Em pais desenvolvidos já existem sistemas do governo que o próprio empresário faz tudo sozinho, sem precisar da figura do contador.

O atual Presidente Jair Bolsonaro está com um projeto de um sistema único em que tudo é feito por online, ou seja, essa burocracia irá desaparecer. Segundo especialistas basta à pessoa saber usar internet e se for dono de uma empresa ela mesma irá encontrar seus impostos prontos para pagar.  A profissão acaba a importância de ser, a chamada desburocratização tudo passa a ficar mais fácil e digital. 

Os profissionais que estão se formando agora devem se preparar para o mercado de trabalho do contador do futuro? Mas a pergunta que se faz é – Qual mercado de trabalho e futuro? Se as máquinas e tecnologia vão tomar o lugar.

Pesquisando na internet deparei com algumas matérias e uma delas me chamou atenção que dizem: os cursos superiores de ciências contábeis, no futuro irá ser como o Diploma de Jornalista, não será mais exigido para atuar. E, fazendo uma análise e pesquisa no mercado deparei com outras áreas de formação atuando na área contábil como: Administrador, Economista, Engenheiros e Advogados eles atendem  serviços de Contabilidade, e um dos serviços que todos sabemos é à abertura de empresas que é feita por qualquer pessoa. Então meus leitores isso já existe na prática, não precisa ser contador para fazer contabilidade, bem como demais serviços contábeis.

E uma pergunta feita por outras áreas é: Porque o CFC insiste tanto nesse exame de suficiência, ou seja, contestou a matéria da Revista Veja, e está contratando por meio de licitação outra empresa que aceite em 2019 a aplicar o tal “exame de suficiência”.  Não seria mais inteligente aceitarem os Bachareis em Ciências Contábeis a obter seu registro profissional e arrecadar mais. Ou será que as inscrições e cursinhos preparatórios estão rendendo mais? 

Uma crítica recentemente feita pelo o nosso Presidente Jair Bolsonaro em defesa do Curso de Medicina em sua declaração contra ao exame de Ordem da OAB. Disse: a pessoa fica estudando cinco anos e não se pode submeter os jovens bacharéis a serem “boys de luxo de escritórios de advocacia”. Ou seja, todos sabem que o Exame de Ordem da OAB, virou comércio são 03 (três) exames por ano e de nada adianta, pois os aprovados têm que fazer cursinho para aprender a prática de advocacia.  Tudo aprendemos na prática, seja na medicina, seja na engenharia, seja na advocacia, seja na contabilidade.   Uma profissão ameaçada de extinção seu Conselho Federal da classe precisa repensar ao impor um exame, uma avaliação sem nexo baseado apenas em questões teóricas.

Fonte: Jus Brasil

MATÉRIAS RELACIONADAS

RECEBA CONTEÚDO EM SEU EMAIL

cadastrar

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.