x
CONTEÚDO notícias

Economia

13º salário do Bolsa Família deve perder validade

Dos 23 parlamentares, apenas 5 compareceram a reunião para analisar a medida que perderá validade nos próximos dias.

06/02/2020 09:15:07

4 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

13º salário do Bolsa Família deve perder validade

Deputados da base governista no Congresso seguem obstruindo a votação do 13º salário do Bolsa Família. Na última quarta-feira, 5, uma reunião da comissão criada para analisar a proposta contou com a presença de apenas cinco dos 23 parlamentares membros do colegiado.

A intenção do governo federal é que nada seja votado e, assim, a medida provisória caduque. A MP previa o pagamento extra do benefício para 2019, mas o senador Randolfe Rodrigues, relator da matéria, propôs que a política valha para todos os anos.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia, são contra a proposta de taxar lucros e dividendos para bancar os custos desse 13º. Uma opção é taxar investimentos de milionários em fundos come-cotas.

13º Bolsa Família

Em outubro, o Diário Oficial da União publicou uma medida provisória que instituiu o 13º salário aos beneficiários do Bolsa Família. A ideia é que os segurados recebessem um extra, no mesmo valor do benefício.

Na época, o pagamento do benefício custou R$ 2,5 bilhões aos cofres públicos. Os recursos tiveram origem no incremento de R$ 2,58 bilhões ao orçamento do ministério, feito em março.

Em Cerimônia realizada no planalto, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que a medida também valeria para os próximos anos. Porém, por se tratar de medida provisória precisaria ser votada no Congresso no prazo de 120 dias, que vencerá dentro dos próximos dias.

Saiba mais:
Beneficiários do Bolsa Família passam a receber 13º salário

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.