x
CONTEÚDO notícias

Tecnologia

Coronavoucher: Golpe do Whatsapp pega dados pessoais de trabalhadores

Em todo país, mais de 4,5 milhões de pessoas já caíram no golpe do whatsapp do auxílio emergencial, o coronavoucher.

01/04/2020 16:55:01

5,3 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Coronavoucher: Golpe do Whatsapp pega dados pessoais de trabalhadores

Golpistas estão se aproveitando da vulnerabilidade de trabalhadores informais e beneficiários do Bolsa Família para furtar dados pessoais de interessados em solicitar o auxílio emergencial de R$ 600 anunciado pelo governo.

Em todo país mais de 4,5 milhões de pessoas já caíram em algum dos golpes relacionados ao auxílio emergencial, também intitulado de Coronavoucher.

As vítimas recebem, por meio de aplicativos como o Whatsapp, uma mensagem sobre o auxílio de R$ 600. Nela, criminosos pedem para que o usuário acesse um link e preencha o formulário para saber se tem ou não direito ao saque.

Inclusive, as mensagens podem ser enviadas por parentes ou amigos, que compartilharam sem saber que se tratava de um golpe e que, dessa forma, acabam conquistando a confiança da vítima.

Com dados como nome, data de nascimento, CPF, RG e endereço das vítimas em mãos, criminosos podem abrir contas bancárias, contratar empréstimos ou usar essa informações para cometer outros crimes.

Auxílio emergencial

Devido ao Coronavírus, o Governo anunciou o auxílio emergencial de R$ 600 para trabalhadores autônomos e informais que foram diretamente afetados pela crise já que não podem exercer suas atividades.

O presidente Jair Bolsonaro, no entanto, ainda precisa sancionar o projeto de lei e editar um decreto regulamentando a operação.

Além disso, uma Medida Provisória, com vigência imediata, abrindo crédito extraordinário para os pagamentos também precisa ser publicada.

Ou seja, ainda não tem nenhum cadastro ou link disponível para verificar se o trabalhador tem ou não direito ao benefício.

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.