x
CONTEÚDO notícias

Câmara

Auxílio Emergencial: Mulher chefe de família pode passar a receber benefício

Projeto a favor da mulher no recebimento do auxílio do governo segue para análise do Senado

03/06/2020 10:45:01

3,7 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Auxílio Emergencial: Mulher chefe de família pode passar a receber benefício

Nesta terça-feira (2), a Câmara dos Deputados aprovou um projeto de lei que prioriza a mulher como provedora para receber o Auxílio Emergencial de R$ 1.200 destinado a família monoparental. O projeto da líder do PSOL na Câmara, Fernanda Melchionna (RS), ainda prevê que o recurso irá para o pai somente quando comprovada a guarda unilateral dos filhos.

De acordo com a deputada, a iniciativa surgiu devido a diversos relatos de mulheres que estão sendo vítimas de fraudes por maridos que cadastram os CPFs para receber o benefício em nome da família.

O documento que agora será encaminhado ao Senado e prevê que, se houverem conflitos de informações da mãe e do pai na solicitação da ajuda do governo, deverá ser dada preferência de recebimento das duas cotas de R$ 600 para mãe, mesmo em casos de o pai ter feito a solicitação da plataforma digital primeiro.

Recebimento pelo pai

Nos casos em que o pai tiver a guarda unilateral, ou seja, que for responsável de fato pela criação dos filhos, ele poderá contestar as informações da mãe na mesma plataforma e receberá uma das cotas de R$ 600, até que os órgãos competentes esclareçam o impasse.

A legislação também restabeleceu, após o veto do presidente Jair Bolsonaro, a possibilidade de o pai solteiro receber as duas cotas.

Outra emenda importante que foi acatada no projeto, é a do deputado Milton Vieira (Republicanos-SP), que prevê uma garantia de pagamento retroativo por parte do governo para o responsável pelos filhos que teve seu benefício subtraído ou recebido indevidamente pelo genitor ou genitora.

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.