x
CONTEÚDO notícias

Prorrogação

Auxílio Emergencial poderá ter mais três parcelas decrescentes

Confira possíveis valores do Auxílio Emergencial, de acordo com o ministro Luiz Eduardo Ramos.

25/06/2020 13:55:01

3,6 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Auxílio Emergencial poderá ter mais três parcelas decrescentes

Nesta quinta-feira (25), o ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, Luiz Eduardo Ramos, afirmou, por meio de uma rede social, que o Auxílio Emergencial deverá ter mais três parcelas pagas pelo governo com valores decrescentes. Mas, minutos depois, ele apagou a postagem.

A postagem foi feita horas antes de uma reunião do presidente Jair Bolsonaro com ministros, prevista para esta manhã, que debaterá as novas parcelas do auxílio emergencial. E, por isso, a assessoria de imprensa do ministro disse que ele apagou a postagem porque a informação estava incorreta e que o assunto ainda está em discussão.

Essa reunião ocorre uma semana antes do fim do prazo fixado pelo governo para que trabalhadores se inscrevam no programa.

Possíveis valores Auxílio Emergencial

Na postagem apagada, Ramos informava que as três parcelas adicionais seriam, respectivamente, de R$ 500, R$ 400 e R$ 300.

A postagem dizia: “O governo vai pagar 3 parcelas adicionais (de R$500, R$ 400 e R$ 300) do auxílio emergencial. A proposta faria o benefício chegar neste ano a pelo menos R$ 229,5 bilhões. Isso é 53% de toda a transferência de renda já feita no programa Bolsa Família desde o seu início, em 2004"..

Participam da reunião com o presidente Jair Bolsonaro os ministros Paulo Guedes, da Economia; Onyx Lorenzoni, da Cidadania; Braga Netto, da Casa Civil; e os presidentes do Banco Central, Roberto Campos Net e da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães.

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.