x
CONTEÚDO notícias

Fim do benefício

Governo diz que não poderá prorrogar o Auxílio Emergencial mais que dois meses

Em transmissão ao vivo, o presidente Jair Bolsonaro informou que o governo não poderá continuar por muito tempo com o Auxílio Emergencial.

03/07/2020 10:30:01

13,8 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Governo diz que não poderá prorrogar o Auxílio Emergencial mais que dois meses

O presidente Jair Bolsonaro disse, em transmissão ao vivo em suas redes sociais, que o governo não poderá estender o Auxílio Emergencial após pagar as duas novas parcelas anunciadas.

De acordo com Bolsonaro, a ajuda financeira está sendo financiada com o aumento da dívida brasileira. Ele também aproveitou para pedir novamente a governadores e prefeitos que reabram os comércios.

"A gente não pode continuar muito tempo, são R$ 50 bilhões por mês. Não é dinheiro que está sobrando, estamos nos endividando por isso daí. A gente apela aos governadores e prefeitos para que, logicamente com responsabilidade, comecem a abrir o comércio e botar a economia para funcionar de fato", disse Bolsonaro.

A live aconteceu nesta quinta-feira (2) e também contou com a participação do presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães.

Durante a transmissão, Guimarães afirmou que o banco está trabalhando para, em breve, anunciar um calendário de pagamento das parcelas adicionais do auxílio. Ele também falou que a ajuda financeira do governo para o enfrentamento da pandemia do coronavírus está impactando positivamente o Brasil e, principalmente, o interior do país, “Norte e Nordeste em especial”.

Novas parcelas Auxílio Emergencial

Na última terça-feira (30), o presidente assinou o decreto que prorroga em mais duas parcelas o Auxílio Emergencial. Na ocasião, ele afirmou que espera que a atividade econômica esteja retomada quando o governo terminar de pagar o benefício.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a proposta é que as parcelas adicionais do programa sejam pagas de maneira desmembrada, podendo ser divididas em quatro datas de pagamento em dois meses, que somarão os R$ 600 por mês.

Uma sugestão do ministro para o pagamento foi de que no início do mês o governo pagaria R$ 500 e no fim do mês mais R$ 100. No segundo mês de prorrogação, a ideia é pagar R$ 300 nos primeiros dias do período e os outros R$ 300 no final.

O Auxílio Emergencial foi criado em abril e a previsão inicial é que fosse pago apenas por três meses. O programa é destinado para pessoas de baixa renda e trabalhadores informais.

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.