x
CONTEÚDO notícias

Novo imposto

Guedes cogita imposto de 0,2% para transações no comércio eletrônico na Reforma Tributária

O ministro afirmou que quer incluir taxa sobre o comércio eletrônico na Reforma Tributária para reduzir outros impostos, como os da folha de pagamento.

16/07/2020 14:45:20

6,1 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Guedes cogita imposto de 0,2% para transações no comércio eletrônico na Reforma Tributária

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o governo pretende incluir na reforma tributária a criação de um novo imposto de 0,2% sobre pagamentos ou comércio em meio eletrônico.

De acordo com o ministro, a ideia é ampliar a base de cobrança, ou seja, a variedade de locais onde os impostos incidem. Com isso, seria possível reduzir a cobrança que recai sobre outras bases, como a folha de pagamentos, segundo Guedes.

“A nossa ideia era colocar uma terceira base, que seriam os pagamentos, os comércios eletrônicos, uma base que está crescendo. Uma alíquota pequenininha de 0,2% sobre comércio eletrônico tem uma capacidade de arrecadação bastante importante, e está crescendo”, afirmou em entrevista à rádio Jovem Pan.

Além de desonerar as folhas das empresas, o ministro disse que essa criação poderia levar a uma redução nos impostos sobre o consumo ou no imposto de renda.

“Só tem uma forma de você simplificar e reduzir as alíquotas de impostos, é ampliar a base. Se todo mundo paga um pouquinho não precisa pagar muito”, disse.

Guedes ainda afirmou que a reforma tributária está pronta para ser enviada ao Congresso Nacional e que ele está aguardando “entendimento político”.

A Câmara dos Deputados e o Senado estão tentando reunir propostas de diferentes autores que já tramitam nas Casas, mas ainda não receberam nenhum texto oficial do Ministério da Economia.

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.