x
CONTEÚDO notícias

Crise

IBGE: Impacto da crise é maior para pequena empresa

Para analistas, impacto da crise provocada pela pandemia é maior aos pequenos empreendedores.

17/09/2020 11:25:01

2 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

IBGE: Impacto da crise é maior para pequena empresa

Uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE, mostra os resultados da crise provocada pela pandemia do coronavírus. Para especialistas, o impacto foi maior para as pequenas empresas.

Durante a primeira quinzena de agosto, 277 mil empresas cortaram empregados em relação à quinzena anterior. Dessas, 52,6% enxugaram em até 25% o quadro de pessoal.

A porcentagem de 86,4% das empresas em funcionamento, o equivalente a 2,7 milhões de companhias, manteve o número de funcionários na primeira quinzena de agosto em relação à quinzena anterior. Uma parte de 8,7% indicaram demissões.

Produção

Na crise da pandemia, durante a primeira quinzena de agosto, 48,8% das empresas em funcionamento não tiveram alteração significativa na sua capacidade de fabricar produtos ou atender clientes. Por outro lado, 33,7% relataram dificuldades, enquanto 17,4% registraram facilidades. Sobre acesso aos fornecedores, 42,4% não perceberam alteração significativa, mas 47,6% tiveram dificuldades.

“A pesquisa não detalha quais os impactos negativos, mas, analisando informações complementares, a dificuldade é ter o fornecedor disponível para a compra de insumos” disse Alessandro Maia Pinheiro, coordenador de Pesquisas Econômicas Estruturais e Especiais do IBGE, ao Globo.

“A dificuldade para pagar fornecedores também impacta nesta percepção das empresas. No comércio, as relações de confiança entre empresa e fornecedor são mais frágeis do que na indústria. Se há atrasos nos pagamentos, surgem problemas na hora que for preciso repor os estoques”.

Pagamentos

Por volta de 44,9% das empresas em funcionamento reportaram dificuldades em realizar pagamentos de rotina na primeira quinzena de agosto, enquanto 49,7% consideraram que não houve alteração significativa.

“A pesquisa não detalha quais os impactos negativos, mas, analisando informações complementares, a dificuldade é ter o fornecedor disponível para a compra de insumos” disse Alessandro Maia Pinheiro, coordenador de Pesquisas Econômicas Estruturais e Especiais do IBGE, ao Globo.

“A dificuldade para pagar fornecedores também impacta nesta percepção das empresas. No comércio, as relações de confiança entre empresa e fornecedor são mais frágeis do que na indústria. Se há atrasos nos pagamentos, surgem problemas na hora que for preciso repor os estoques”.

Por volta de 44,9% das empresas em funcionamento reportaram dificuldades em realizar pagamentos de rotina na primeira quinzena de agosto, enquanto 49,7% consideraram que não houve alteração significativa.

“A dificuldade das pequenas empresas está relacionada ao período de retomada das atividades. Muitas lojas, por exemplo, estão com dificuldade para repor estoque, para reabrir seus espaços físicos. Esses fatores seguem impactando o segmento” explicou Flavio Magheli, gerente da pesquisa.

Novo normal

92,9% das empresas em funcionamento declararam ter implementado ações de prevenção e manutenção de medidas extras de higiene, por conta da pandemia de Covid-19. 32,3% de empresas adotaram o trabalho remoto e 15,3% anteciparam férias dos funcionários.

Já 30,6% das empresas alteraram o método de entrega de seus produtos ou serviços, enquanto 13,2% lançaram ou passaram a comercializar novos produtos e/ou serviços na primeira quinzena de agosto.

Entre as companhias em atividade, 32% adiaram o pagamento de impostos e 10,9% conseguiram uma linha de crédito emergencial para o pagamento da folha salarial.

Na primeira quinzena de agosto, 23% das empresas afirmaram que foram apoiadas pela autoridade governamental na adoção de medidas emergenciais contra a pandemia.

Essa percepção de apoio dos governos foi mais elevada entre as companhias que adiaram o pagamento de impostos (44,5% delas) e entre as que conseguiram linhas de crédito para o pagamento da folha salarial (62,4%).

Impacto é maior nas pequenas empresas

Para o IBGE, a percepção de impacto negativo da crise da pandemia se mantém maior entre as empresas de pequeno porte, de até 49 funcionários (38,8%), e melhora na percepção das empresas intermediárias (de 50 a 499 funcionários) e de maior porte (acima de 500 empregados), que indicaram maior incidência de efeitos pequenos ou inexistentes na quinzena – respectivamente 44,7% e 46,6%.

“A cada quinzena aumenta a percepção de efeitos pequenos ou inexistentes ou positivos entre as empresas de maior porte”, disse Flávio Magheli.

Os setores de construção (47,9%) e comércio (46,3%) reportaram as maiores incidências de efeitos negativos na quinzena. Por outro lado, no setor industrial, 38,9% relataram impactos pequenos ou inexistentes e, no setor de serviços, a incidência foi de 41,9%, com destaque para os segmentos de informação e comunicação (61,5%) e serviços profissionais e administrativos (45,6%).

Entre as grandes regiões, o Nordeste destaca-se pela menor incidência de efeitos negativos (20,4%), e a região é onde ocorre a maior percepção de impactos positivos, passando de 35,3% para 52%.

Os maiores percentuais de impactos negativos foram no Sudeste (43,6%) e no Norte (41,9%), enquanto Sul (39,9%) e Centro-Oeste (39,8%) têm percepção semelhantes.Segundo a pesquisa, a percepção de redução nas vendas afetou mais o comércio, que passou de 29,5% na segunda quinzena de julho para 44,5%, com destaque para o comércio varejista que subiu de 29,7% para 48,9%; seguidos por construção (36,2%), indústria (30,8%) e serviços (29,7%).

"Por setores, o comércio varejista e a atividade de construção são os mais afetados na quinzena. Dentre as regiões, o Nordeste destaca-se com 52% de efeitos positivos relacionados às medidas de flexibilização do isolamento. Já em relação às vendas, a percepção de redução atinge 36,1% das empresas, afetando principalmente o comércio varejista”, afirmou Magheli sobre os dados da crise da pandemia nas empresas.

cta nesta percepção das empresas. No comércio, as relações de confiança entre empresa e fornecedor são mais frágeis do que na indústria. Se há atrasos nos pagamentos, surgem problemas na hora que for preciso repor os estoques”.

Por volta de 44,9% das empresas em funcionamento reportaram dificuldades em realizar pagamentos de rotina na primeira quinzena de agosto, enquanto 49,7% consideraram que não houve alteração significativa.

“A dificuldade das pequenas empresas está relacionada ao período de retomada das atividades. Muitas lojas, por exemplo, estão com dificuldade para repor estoque, para reabrir seus espaços físicos. Esses fatores seguem impactando o segmento” explicou Flavio Magheli, gerente da pesquisa.

Novo normal

92,9% das empresas em funcionamento declararam ter implementado ações de prevenção e manutenção de medidas extras de higiene, por conta da pandemia de Covid-19. 32,3% de empresas adotaram o trabalho remoto e 15,3% anteciparam férias dos funcionários.

Já 30,6% das empresas alteraram o método de entrega de seus produtos ou serviços, enquanto 13,2% lançaram ou passaram a comercializar novos produtos e/ou serviços na primeira quinzena de agosto.

Entre as companhias em atividade, 32% adiaram o pagamento de impostos e 10,9% conseguiram uma linha de crédito emergencial para o pagamento da folha salarial.

Na primeira quinzena de agosto, 23% das empresas afirmaram que foram apoiadas pela autoridade governamental na adoção de medidas emergenciais contra a pandemia.

Essa percepção de apoio dos governos foi mais elevada entre as companhias que adiaram o pagamento de impostos (44,5% delas) e entre as que conseguiram linhas de crédito para o pagamento da folha salarial (62,4%).

Impacto é maior nas pequenas empresas

Para o IBGE, a percepção de impacto negativo da crise da pandemia se mantém maior entre as empresas de pequeno porte, de até 49 funcionários (38,8%), e melhora na percepção das empresas intermediárias (de 50 a 499 funcionários) e de maior porte (acima de 500 empregados), que indicaram maior incidência de efeitos pequenos ou inexistentes na quinzena – respectivamente 44,7% e 46,6%.

“A cada quinzena aumenta a percepção de efeitos pequenos ou inexistentes ou positivos entre as empresas de maior porte”, disse Flávio Magheli.

Os setores de construção (47,9%) e comércio (46,3%) reportaram as maiores incidências de efeitos negativos na quinzena. Por outro lado, no setor industrial, 38,9% relataram impactos pequenos ou inexistentes e, no setor de serviços, a incidência foi de 41,9%, com destaque para os segmentos de informação e comunicação (61,5%) e serviços profissionais e administrativos (45,6%).

Entre as grandes regiões, o Nordeste destaca-se pela menor incidência de efeitos negativos (20,4%), e a região é onde ocorre a maior percepção de impactos positivos, passando de 35,3% para 52%.

Os maiores percentuais de impactos negativos foram no Sudeste (43,6%) e no Norte (41,9%), enquanto Sul (39,9%) e Centro-Oeste (39,8%) têm percepção semelhantes.Segundo a pesquisa, a percepção de redução nas vendas afetou mais o comércio, que passou de 29,5% na segunda quinzena de julho para 44,5%, com destaque para o comércio varejista que subiu de 29,7% para 48,9%; seguidos por construção (36,2%), indústria (30,8%) e serviços (29,7%).

"Por setores, o comércio varejista e a atividade de construção são os mais afetados na quinzena. Dentre as regiões, o Nordeste destaca-se com 52% de efeitos positivos relacionados às medidas de flexibilização do isolamento. Já em relação às vendas, a percepção de redução atinge 36,1% das empresas, afetando principalmente o comércio varejista”, afirmou Magheli sobre os dados da crise da pandemia nas empresas.

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.