x
CONTEÚDO notícias

Renda extra

Maioria utilizou auxílio do governo para produtos essenciais e pagamento de dívidas

Levantamento realizado neste mês de setembro considerou renda extra de FGTS e auxilio emergencial.

18/09/2020 10:10:01

1,1 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Maioria utilizou auxílio do governo para produtos essenciais e pagamento de dívidas

Um levantamento do Ibre (Instituto Brasileiro de Economia da FGV) mostra que 13,5% dos brasileiros receberam algum tipo de renda extra por conta da pandemia, percentual que sobe para quase 30% entre as pessoas com renda mensal até R$ 2.100,00, por conta do auxílio emergencial a trabalhadores informais. Esse benefício foi pago a 9% das pessoas (27% nessa faixa de renda).

De cada R$ 100 dessa renda extra, R$ 31 foram para compra de bens essenciais, R$ 27 para pagamento de dívidas em atraso, R$ 20 para poupança e R$ 16 para outros gastos do dia a dia. Apenas R$ 2,3 foram destinados a bens como eletrodomésticos, móveis e roupas ou para serviços.

Economia

Viviane Seda Bittencourt, coordenadora das sondagens do Ibre, afirma que os dados mostram a cautela do consumidor diante das incertezas em relação ao futuro da sua situação financeira. Apesar do reaquecimento da economia, há receio de aumento de desemprego e perda de renda com a redução e fim do auxílio emergencial.

“A crise sanitária não está resolvida completamente. As empresas estão voltando a sua rotina de trabalho, mas a crise sanitária ainda não acabou. Isso faz com que os consumidores retraiam seu consumo e fiquem cautelosos”, diz Bittencourt.

Ainda de acordo com a pesquisa, a caderneta de poupança foi o destino de 55% do dinheiro poupado, 24% foi para outros investimento de renda fixa e 6,8% estão guardados em casa.

Aplicações em ações foram o destino de 0,8% dessa renda extra (2,9% entre as pessoas de renda acima de R$ 9.600,01.

Nas sondagens, foram ouvidos 2.977 empresas e 1.517 consumidores, de 1º a 15 de setembro.

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.