x
CONTEÚDO notícias

Home office

Saiba qual postura adotar em grupos de WhatsApp de trabalho

Com a pandemia, grupos de WhatsApp de trabalho se tornaram ferramenta de comunicação e, por isso, especialista explica como se portar nesse ambiente digital.

18/10/2020 09:30:01

3,2 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Saiba qual postura adotar em grupos de WhatsApp de trabalho

Com a crescente do home office, uma das formas que se tornaram mais comuns de as equipes se comunicarem durante esse período de trabalho à distância foi por meio de grupos de WhatsApp.

O especialista em empregabilidade Rogério Bragherolli, em entrevista ao G1, alertou sobre os cuidados necessários no uso da ferramenta, que vão desde a segurança nos dados compartilhados até a forma de se comunicar.

“O WhatsApp se tornou a ferramenta de comunicação mais ágil e comum no dia a dia das pessoas no âmbito tanto pessoal quanto profissional. Mas é preciso ter muito cuidado quando a finalidade é trabalho”, observa.

O especialista ainda destacou algumas regras de boa conduta em grupos de WhatsApp da firma para serem seguidas:

Atenção à segurança da informação

O WhatsApp não é uma ferramenta corporativa. Por isso, compartilhar planilhas, documentos importantes e informações confidenciais pode ser perigoso, além de não ser possível de ser rastreado. É necessário ainda manter a ferramenta segura por meio de senha.

As empresas que usam ferramentas próprias, como e-mails e sistemas de mensagens corporativos, conseguem rastrear tudo o que é compartilhado e verificar possível mau uso pelos funcionários.

Comunicação

Transparência, objetividade e educação são essenciais na maneira de se comunicar. A conduta deve ser estritamente profissional.

A comunicação profissional tem que ser objetiva, clara, sem palavrões e comentários desnecessários. Por exemplo, é fora de cogitação o uso de ironias.

Já as conversas de forma privada são indicadas somente para assuntos confidenciais, que exigem essa privacidade. Mas é preciso muito cuidado para não se confundir e achar que está no privado e na verdade está escrevendo no grupo.

Assuntos polêmicos

Não é indicado compartilhar fotos, discussões políticas e religiosas. Evidentemente se pode falar de futebol, mas, claro, sem abusos.

Em caso de demissão de alguém do grupo, deve-se falar sobre o assunto de forma educada e elegante. Já em caso de morte de familiares de colegas, as mensagens devem ser feitas de maneira um pouco mais formal no grupo.

No caso de promoção na equipe, você pode parabenizar a pessoa promovida. Mas promover uma pessoa via WhatsApp não é recomendado, existem ferramentas oficiais para isso.

Comentários paralelos

É preciso muito cuidado com comentários paralelos, não relacionados ao trabalho, principalmente em relação às fofocas. Tudo fica registrado e pode comprometer até mesmo a carreira do profissional.

É claro que se pode falar de assuntos para descontrair, até fazer piadas, desde que não soe como crítica, reclamação ou indireta relacionadas ao trabalho.

Falar de amenidades, como contar que adotou um animal de estimação, comentar do tempo, falar de planos para o final de semana podem até ser um quebra gelo.

Combinar happy hour, desejar feliz aniversário ou parabenizar pelo nascimento do filho no grupo, por exemplo, também não têm problema nenhum. Mas o bom senso é primordial e esses assuntos não devem ser dominantes nas conversas do grupo.

Só para trabalho

Pode parecer óbvio, mas grupo de WhatsApp do trabalho deve ter exclusivamente com pessoas do meio profissional. As pessoas que foram desligadas da empresa devem sair do grupo imediatamente – não se trata de falta de educação, mas de uma conduta racional.

O grupo formado na empresa deve ter propósitos claros como discutir vendas ou budget, aprovações de marketing, divisão de tarefas diárias, entrega de resultados etc.

Fonte: G1

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.