x
CONTEÚDO notícias

Pandemia

Auxílio Emergencial Paulistano: Câmara Municipal aprova criação do benefício extra

A Câmara Municipal de São Paulo aprovou, por 45 votos a 2, a criação do auxílio emergencial paulista para moradores da cidade.

23/10/2020 10:55:01

4,4 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Auxílio Emergencial Paulistano: Câmara Municipal aprova criação do benefício extra

Foi aprovado pela Câmara Municipal de São Paulo, nesta quinta-feira (22), por 45 votos a 2, o projeto de lei que institui um Auxílio Emergencial paulistano. O texto agora vai para a Comissão de Constituição e Justiça apenas para que a lei seja reescrita incluindo a emenda aprovada e depois segue para a mesa do prefeito Bruno Covas (PSDB), que já sinalizou que sancionará o projeto.

A intenção é que a primeira parcela do benefício seja paga ainda em outubro para os cidadãos de São Paulo ou no começo de novembro. O projeto foi bem aceito nas duas votações da Câmara depois do sinal de Covas a favor do auxílio.

O projeto, que é de autoria do vereador Eduardo Suplicy (PT), institui três parcelas de R$ 100 para os beneficiários do programa Bolsa Família e vendedores ambulantes que tem o Termo de Permissão de Uso do solo da prefeitura de São Paulo (TPU). Ou seja, são os que têm os estandes de venda autorizados para ocupar calçadas.

Nesta quinta-feira, os parlamentares da cidade mudaram algumas regras do pagamento do benefício. Num acordo com o governo eles combinaram de aumentar para R$ 200 a parcela paga a deficientes físicos, mães solteiras e pais solteiros.

Também tiraram duas travas do projeto: uma que limitava o número de beneficiados por família e outra que limitava a idade mínima dos beneficiados.

Com as mudanças, todas as pessoas que recebem o benefício do Bolsa Família ou detêm o TPU poderão ter as parcelas pagas logo após a autorização da prefeitura.

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.