x

Cenário

Pix deve ganhar impulso em 2021 e reduzir a quantidade de moeda em circulação

Especialista explica as vantagens do Pix em âmbito nacional e a situação da circulação de moedas no Brasil.

04/01/2021 10:35:01

1,5 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Pix deve ganhar impulso em 2021 e reduzir a quantidade de moeda em circulação

Uma das novidades que marcou 2020 foi o lançamento do Pix, o novo sistema de pagamento instantâneo do Banco Central que revolucionou as transações financeiras no Brasil, com transferências sem taxa, além de funcionar 24 horas por dia e sete dias por semana.

A modalidade de pagamento também chama atenção, no cenário nacional, por ajudar a reduzir a quantidade de moeda circulando no país, já que a tendência é que os pagamentos sejam feitos via transferência e não em dinheiro em espécie.

“O dinheiro circulando no país é um grande problema, porque o Banco Central tem custos da ordem de R$ 1 bilhão para manutenção das moedas que circulam no país. Ou seja, é muito custoso para todos, já que quem paga essa conta somos nós", explica Pedro Coutinho, CEO da Getnet.

Coutinho, que foi entrevistado no podcast O Que Eu Faço?, também destaca o benefício que a menor circulação de moeda traz para os comerciantes, que precisam investir em segurança para proteger o dinheiro físico em seus estabelecimentos.

Embora as vantagens sejam incontáveis, especialmente para os pequenos empreendedores, ainda tem muita gente desconfiada e com medo de usar o Pix. Para tirar a prova de que o modelo é mesmo vantajoso, Pedro Coutinho sugere um teste que muitas empresas já estão aplicando.

Elas utilizam o Pix por 20 dias, contabilizando todos os custos, para então determinar se o recebimento por essa via compensa mesmo.

“O que vai ficar claro lá na frente é um custo menor do que o comerciante tem hoje em outras transações”, conclui.

Custos Pix

Embora o Pix não tenha taxas de transferência, ele acaba gerando alguns outros custos para quem o utiliza em comércios, por exemplo. Para que um comerciante dono de uma mercearia receba de um cliente, ele precisará gerar um QR Code. E, para isso, provavelmente fará uso de uma maquininha ou de um celular.

O surgimento do Pix, por sinal, não é sinônimo de obsolescência para as maquininhas, já que a funcionalidade delas hoje vai muito além de simplesmente receber pagamentos no crédito ou débito. Além disso, os diferentes meios de pagamento e transações podem e provavelmente continuarão coexistindo.

“O Pix é importante, mas ele não é também o único meio de captura. Nós vamos continuar tendo o Pix, nós vamos continuar tendo o cartão de crédito e vamos continuar tendo o cartão de débito. Assim como ainda temos no país 30 milhões de cheques por mês sendo transacionados”, resume Coutinho.

Fonte: CNN

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.

Ajude a divulgar o nosso Congresso de Contabilidade.

Inscreva-se e compartilhe

Salve a imagem e compartilhe em suas redes sociais.

Ajude a divulgar o nosso Congresso de Contabilidade.

Inscreva-se e compartilhe

Salve a imagem e compartilhe em suas redes sociais.

?>