x

Crise

OIT: Pandemia levou à perda de 255 milhões de empregos em 2020

Perda de empregos é quatro vezes maior do que a registrada na crise financeira global de 2009.

25/01/2021 12:00:01

2,1 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

OIT: Pandemia levou à perda de 255 milhões de empregos em 2020

A pandemia causou a perda de 255 milhões de postos de trabalho em 2020, segundo relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgado nesta segunda-feira (25).

Segundo a 7ª edição do Monitor da OIT Covid-19, 8,8% das horas de trabalho globais foram perdidas em todo o ano passado, o equivalente a 255 milhões de empregos em tempo integral. Isso é aproximadamente quatro vezes maior do que o número perdido na crise financeira global de 2009.

Essas perdas resultaram em uma queda de 8,3% na renda global do trabalho (sem considerar as medidas de apoio dos governos), equivalente a US$ 3,7 trilhões ou 4,4% do Produto Interno Bruto (PIB) global.

Impactados

As mulheres foram mais afetadas do que os homens pelo impacto da pandemia no mercado de trabalho. Globalmente, as perdas de emprego para as mulheres são de 5%, contra 3,9% para os homens.

Os trabalhadores mais jovens também foram os mais afetados, seja perdendo empregos, saindo da força de trabalho ou retardando sua entrada. A perda entre os jovens de (15 a 24 anos) foi de 8,7% em comparação com 3,7% dos adultos, o que “destaca o risco muito real de uma geração perdida”, diz o relatório.

O relatório destaca as preocupações de uma “recuperação em forma de K”, em que os setores e trabalhadores mais afetados podem ser deixados para trás na recuperação, levando ao aumento da desigualdade, a menos que medidas sejam tomadas.

Os setores mais afetados foram os de hospedagem e alimentação, nos quais o emprego diminuiu em mais de 20% em média, seguidos pelo varejo e indústria. Já os setores de informação e comunicação e finanças e seguros registraram aumento no segundo e terceiro trimestres de 2020. Aumentos menores também foram observados na mineração, extração e serviços públicos.

Recuperação em 2021

Embora ainda haja um alto grau de incerteza, as últimas projeções da OIT para 2021 mostram que a maioria dos países experimentará uma recuperação relativamente forte na segunda metade do ano, à medida que os programas de vacinação entrarem em vigor.

O relatório apresenta três cenários de recuperação. O cenário básico projeta uma perda de 3% das horas de trabalho globalmente em 2021, equivalente a 90 milhões de empregos em tempo integral.

O cenário pessimista, que pressupõe um lento progresso na vacinação em particular, veria a jornada de trabalho cair 4,6%, enquanto o cenário otimista prevê uma queda de 1,3%. Isso dependeria de a pandemia estar sob controle e de um aumento da confiança dos consumidores e das empresas.

Em todos os cenários, as Américas, Europa e Ásia Central experimentariam cerca de duas vezes mais a perda de horas de trabalho em comparação com outras regiões.

“Os sinais de recuperação que vemos são encorajadores, mas são frágeis e altamente incertos, e devemos lembrar que nenhum país ou grupo pode se recuperar sozinho”, disse o diretor-geral da OIT, Guy Ryder.

“Estamos em uma bifurcação. Um caminho leva a uma recuperação desigual e insustentável com desigualdade e instabilidade crescentes e a perspectiva de mais crises. O outro enfoca uma recuperação centrada no ser humano para reconstruir melhor, priorizando o emprego, a renda e a proteção social, os direitos dos trabalhadores e o diálogo social. Se quisermos uma recuperação duradoura, sustentável e inclusiva, este é o caminho com o qual os formuladores de políticas devem se comprometer ”, concluiu.

Fonte: G1

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.