x

Chatbot

Pandemia acelera uso da inteligência artificial na saúde

Quatro de cada dez pacientes já interagiram com um chatbot de inteligência artificial ou um assistente virtual pelo site de um médico, plano de saúde ou centro de saúde. A maioria depois do início da pandemia.

10/03/2021 13:05:01

4,3 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Pandemia acelera uso da inteligência artificial na saúde

Quatro de cada dez pacientes já interagiram com um chatbot de inteligência artificial ou um assistente virtual pelo site de um médico, plano de saúde ou centro de saúde. A maioria depois do início da pandemia.

A pandemia do coronavírus acelerou o uso da inteligência artificial (IA) pelos pacientes brasileiros. 

É o que aponta pesquisa feita pela plataforma de busca e comparação de softwares Capterra sobre a adoção da tecnologia no Brasil nos últimos meses e em que foram ouvidos 1004 pacientes de todo país entre os dias 11 e 15 de dezembro do ano passado.

Os dados fazem parte de um estudo em que o Capterra também analisou o uso da telemedicina no país, que mostrou que mais da metade (55%) dos entrevistados já fizeram uma consulta do tipo.

Segundo a mais nova pesquisa, 39% já interagiram com um chatbot de inteligência artificial ou um assistente virtual pelo site de um médico, plano de saúde ou centro de saúde. Destes, 61% o fizeram depois do início da pandemia. 

Os dados mostram que as novas tecnologias ganham espaço, mas que o contato direto com os profissionais de saúde segue sendo muito valorizado.

Quando perguntados sobre qual seu método preferido para compartilhar o histórico de paciente e outras informações antes de uma consulta com um profissional de saúde, 40% afirmaram que presencialmente, com um enfermeiro ou médico, enquanto 20% disseram que sua primeira opção seria fazê-lo através de um assistente virtual com inteligência artificial.

“Observamos que os pacientes estão mais familiarizados com as aplicações básicas da IA, como o atendimento por meio de robôs virtuais para responder perguntas simples. Questões mais complexas, como o diagnóstico assistido por IA, são desconhecidas por uma grande fatia dos entrevistados”, comenta Lucca Rossi, analista responsável pelo estudo. 

Isso se reflete em um maior receio em utilizar essa tecnologia para questões mais complexas: 50% afirmam, por exemplo, que sentiriam algum nível de desconforto em ter uma medicação prescrita por um software alimentado por IA. 
 
Para 59%, a rapidez no atendimento é o maior benefício do uso da inteligência artificial na saúde.

Quanto ao futuro do uso dessa tecnologia, os dados são otimistas.

Ainda que a adoção da tecnologia ainda seja reduzida, a grande maioria considera importante (59%) ou extremamente importante (30%) a adoção de ferramentas e tecnologias alimentadas por inteligência artificial para melhorar a experiência do paciente.  

Fonte: Capterra / Gartner

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.