x

OIT

Acidente de trabalho: Brasil é 2º país do G20 em mortalidade de trabalhadores

De acordo com o Observatório de Segurança e Saúde no Trabalho, técnico de enfermagem e faxineiro estão entre as ocupações com mais registros de acidentes de trabalho.

03/05/2021 11:30:02

2,6 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Acidente de trabalho: Brasil é 2º país do G20 em mortalidade de trabalhadores Foto: RODNAE Productions/Pexels

De acordo com o Observatório de Segurança e Saúde no Trabalho, elaborado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) e a Organização Internacional do Trabalho (OIT), no mundo, um trabalhador morre por acidente de trabalho ou doença laboral a cada 15 segundos.

De 2012 a 2020, 21.467 desses profissionais eram brasileiros. O número representa uma taxa de 6 óbitos a cada 100 mil empregos formais nesse período.

O Brasil ocupa a segunda colocação em mortalidade no trabalho, entre os países do G20, ficando atrás apenas do México, com 8 óbitos a cada 100 mil vínculos de emprego entre 2002 e 2020.

As menores taxas de mortalidade foram registradas:

  • Japão (1,4 a cada 100 mil)
  • Canadá (1,9 a cada 100 mil) 
  • Argentina (3,7 mortes a cada 100 mil trabalhadores).

Em oito anos, foram registrados no Brasil 5,6 milhões de doenças e acidentes de trabalho, que geraram um gasto previdenciário que ultrapassa R$ 100 bilhões.

Em 2020, por causa da Covid-19, o total de auxílios-doença por transtornos psicológicos, como depressão e ansiedade, chegou a 289 mil — um aumento de 30% em relação a 2019, quando foram registrados 224 mil.

“Estima-se que doenças e acidentes do trabalho produzam a perda de 4% do PIB global a cada ano. No caso do Brasil, esse percentual corresponde a aproximadamente R$ 300 bilhões, considerando o PIB de 2020”, afirmou Luís Fabiano de Assis, procurador do MPT e cientista de dados.

Ocupações com mais registros

Entre as ocupações mais informadas nos registros estão: 

  1. técnicos de enfermagem (9%);
  2. faxineiros (5%);
  3. auxiliares de escritório (3%);
  4. vigilantes (3%);
  5. vendedores de comércio varejista (3%);
  6. alimentadores de linha de produção (3%).

"O setor de saúde sempre foi um dos que mais notificou os órgãos públicos sobre acidentes de trabalho", explicou Márcia Kamei Lopez Aliaga, titular da Coordenadoria Nacional de Defesa do Meio Ambiente de Trabalho, do MPT. 

A procuradora acredita que há setores que podem ter grande relevância em acidentes de trabalho, mas podem não ter divulgado os dados corretamente.

Na série histórica de 2012 a 2019, a maior parte dos acidentes foram ocasionados pela operação de máquinas e equipamentos (15%). Em 2020, esse percentual aumentou para 18% .

“Essas informações demonstram a carência de medidas de proteção coletiva em muitos estabelecimentos e a ineficácia das atuais políticas de prevenção”, alertou Márcia.

Na distribuição geográfica, São Paulo concentra 35% dos acidentes de trabalho notificados, seguido por Minas Gerais (11%) e Rio Grande do Sul (9%) — destacando a forte concentração de empregos principalmente na região Sudeste.

"O Brasil tem muita dificuldade em assimilar a questão da prevenção. O Brasil nunca deixou de ocupar o posto de grande responsável por acidentes de trabalho e a Covid-19 comprovou essa tendência", analisou a procuradora.

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.