x

ECONOMIA

Mais de R$17 trilhões foram emitidos em Notas Fiscais Eletrônicas em 2020

Em percentual, o setor que mais cresceu foi o de Comércio Varejista de Livros, com 158% de avanço em relação a 2019

14/06/2021 16:00:01

1,5 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Mais de R$17 trilhões foram emitidos em Notas Fiscais Eletrônicas em 2020 Foto: Pixabay

A quantidade de Notas Fiscais Eletrônicas (NFEs) emitidas pelas empresas em 2020 cresceu 12,95%, se comparado ao ano de 2019. Mesmo com o momento de instabilidade causado pela pandemia, foram mais de 3 bilhões de NFEs emitidas, totalizando um valor de R$ 17,51 trilhões, o que representa um crescimento de R$ 1,90 trilhão em relação a 2019, quando o valor foi de R$ 15,62 trilhões. 

Os dados fazem parte de um estudo desenvolvido pelo IBPTax, joint venture criada pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT) e a Systax, empresa de inteligência fiscal.

O setor que mais emitiu Notas Fiscais Eletrônicas em 2020 foi o Comércio Atacadista de Medicamentos, com um total de 133 milhões, o que significa um crescimento de 8,43% em relação a 2019. 

Logo em seguida, a atividade que mais emitiu, mesmo apresentando uma redução de 8,90% em relação ao ano anterior, foi o Comércio Atacadista de Cerveja, Chope e Refrigerante com 111,6 milhões de NFEs. Já o Comércio Atacadista de Produtos Alimentícios ocupa a terceira posição com 101,3 milhões de NFEs.

Considerando termos percentuais, alguns setores se destacaram em crescimento na emissão de NFEs, como explica o diretor de negócios do IBPT, Carlos Pinto. O Comércio Varejista de Livros foi o que mais cresceu, com 158% de avanço em relação ao ano de 2019. 

Em seguida temos o Comércio Varejista de Cosméticos, Produtos de Perfumaria e Higiene pessoal com 74,50%; o Comércio Varejista de Artigos do Vestuário e Acessórios com 67,96%; e as Lojas de Departamentos e Magazines com 66%. O diretor destaca que estas atividades varejistas tiveram o crescimento na emissão de NFEs principalmente por conta do avanço do e-commerce neste período de isolamento social.

Jerson Prochnow, CEO da Systax, ressalta que tais segmentos que ganharam destaque neste contexto vão ao encontro do momento vivido atualmente. “Mesmo em meio a um cenário instável devido ao contexto pandêmico, estamos acompanhando no mercado diversas movimentações no varejo e, de fato, houve um aumento expressivo no volume de vendas do comércio varejista brasileiro”.

O CEO acrescenta ainda que foram mais de 3 bilhões de Notas Fiscais Eletrônicas emitidas apenas em 2020 e, possivelmente, este dado poderá crescer nos próximos anos. Esse crescimento é acompanhado também do aumento de mais de 10% no número de empresas emissoras de NF-e. 

É muito relevante que esse crescimento ocorra sem a geração de altos riscos fiscais para esses contribuintes e, para isso, é indispensável que as empresas estejam atentas à saúde fiscal de seus negócios, adotem sistemas adequados e eficientes e, principalmente, tributem corretamente suas operações, exigindo ainda que seus fornecedores façam o mesmo.

Fonte: Carlos Pinto, diretor do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT) e Jerson Prochnow, CEO da Systax, empresa de inteligência fiscal

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.

Ajude a divulgar o nosso Congresso de Contabilidade.

Inscreva-se e compartilhe

Salve a imagem e compartilhe em suas redes sociais.

Ajude a divulgar o nosso Congresso de Contabilidade.

Inscreva-se e compartilhe

Salve a imagem e compartilhe em suas redes sociais.