x

Reforma do IR

Com contrariedade do Senado, Reforma do IR pode não sair em 2021

O motivo principal da contrariedade é o timing da proposta, já que, para o Senado, o Brasil tem outros problemas para lidar nesse momento.

17/09/2021 14:00:01

3,1 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Com contrariedade do Senado, Reforma do IR pode não sair em 2021 Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

Nesta quinta-feira (16), o presidente da Comissão de Assuntos Econômicos, senador Otto Alencar, afirmou que a reforma do Imposto de Renda pode não sair em 2021.

A proposta, aprovada pela Câmara dos Deputados em 1º de setembro, encontra resistência no Senado Federal.

O senador afirma que o motivo principal da contrariedade é o timing da proposta. Segundo ele, o Brasil tem outros problemas para lidar nesse momento, como a crise hídrica e a inflação. 

“Ninguém está a favor disso aqui. Com a crise que estamos vivendo, vamos fazer operação de Imposto de Renda? Você tem crise hídrica, política e vai mexer com IR? Para mexer no IR, o presidente da República tem que conversar com os governadores, mas o governo Bolsonaro é uma ilha de isolamento”, afirmou.

Tramitação

O projeto aguarda a designação de um relator na comissão para começar a andar na Casa Alta.

Segundo Alencar, o relator será do PSD, 2ª maior bancada do Senado, porque a relatoria da privatização dos Correios ficou com Márcio Bittar. Otto não garante, entretanto, que designará um relator em algum momento. A decisão poderia sair em outubro ou só em dezembro, enterrando as chances da reforma vingar ainda em 2021. 

“Os senadores com quem conversei querem dar parecer contra. Vou conversar com o presidente [Rodrigo Pacheco] para ver o que vamos fazer. Por mim, não [sai em 2021]. Nunca dei um despacho de gaveta, mas estou com vontade de dar um despacho de gaveta”, disse Alencar a jornalistas.

Ponto de pressão forte sobre os senadores, quem também não estaria feliz com a proposta são governadores e prefeitos, que, segundo o senador, poderiam perder até R$ 20 bilhões em arrecadação. 

Outro ponto que pode travar a análise da proposta pelos senadores é que a palavra final sobre o projeto é da Câmara. Ou seja, os deputados podem ignorar as mudanças do Senado e recuperarem seu próprio texto quando o projeto voltar. 

Reforma do IR

Os deputados votaram por baixar o IRPJ (Imposto de Renda sobre Pessoa Jurídica) de 15% para 8% –empresas grandes pagam 10 pontos percentuais a mais. Além disso, estabeleceram alíquota sobre lucros e dividendos em 20%. 

Essa alíquota deve baixar para 15% nas votações separadas. A reforma do Imposto de Renda é uma proposta do governo federal. O ministro da Economia, Paulo Guedes, porém, não teve protagonismo nas negociações. Quem capitaneou as conversas foi o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). 

Nesta quinta-feira (16), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, declarou que haverá uma reunião na próxima quarta-feira (22) para tratar de reformas de impostos. Nesse encontro, o senador disse que Roberto Rocha apresentará sua proposta de reforma tributária.

Otto Alencar, entretanto, disse que as chances da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) encabeçada por Rocha têm menos chances ainda de prosperar porque muda impostos estaduais como o ICMS.  

“A do Roberto Rocha não anda aqui porque ele quer botar ICMS e ISS, qual governador quer perder autonomia sobre isso. É muito difícil. O governador não vai engolir isso”, disse Alencar.

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.