x

EPIs

Máscaras para proteção contra a Covid-19 e a possibilidade de crédito

Máscaras fornecidas pela empresa a seus trabalhadores para proteção contra o Covid-19 podem ser considerados como insumo para fins de créditos do PIS e da Cofins.

01/10/2021 17:00:01

1,7 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Máscaras para proteção contra a Covid-19 e a possibilidade de crédito Pexels

Com o advento da pandemia da Covid-19, as empresas necessitaram encontrar alternativas para proteger seus colaboradores para a manutenção de suas atividades.

Neste sentido houve uma corrida para a aquisição de máscaras, álcool em gel 70% e etc., onde foi levantada a questão se esses materiais poderiam ser considerados insumos.

A Receita Federal, através da solução de consulta Cosit nº 164, apresenta uma posição favorável aos contribuintes, ainda que que as mascaras para proteção do covid-19 não sejam consideradas EPIs. Posição esta vinculada aos colaboradores ligados a atividades de produção.

Isso foi possivel devido a norma de carater excepcional e temporária prevista ma legislação de combate a doença, que tornou obrigatório o usso desses materiais (Parecer Normativo Cosit nº 5 de 2018), como segue: 

II. ALGUMAS APLICAÇÕES ESPECÍFICAS DO CONCEITO DEFINIDO NO RESP 1.221.170/PR 

(...) 

4. BENS E SERVIÇOS UTILIZADOS POR IMPOSIÇÃO LEGAL 

49. Conforme relatado, os Ministros incluíram no conceito de insumos geradores 
de créditos da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins, em razão de sua relevância, os itens "cuja finalidade, embora não indispensável à elaboração do próprio produto ou à 
prestação do serviço, integre o processo de produção (...) por imposição legal"

50. Inicialmente, destaca-se que o item considerado relevante em razão de imposição legal no julgamento da Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça foram os equipamentos de proteção individual (EPIs), que constituem itens destinados a viabilizar a atuação da mão de obra e que, nos autos do AgRg no REsp 1281990/SC (Relator Ministro Benedito Gonçalves, julgamento em 05/08/2014), não foram considerados essenciais à atividade de uma pessoa jurídica prestadora de serviços de mão de obra, e, consequentemente, não foram considerados insumos pela Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça. 

51. Daí se constata que a inclusão dos itens exigidos da pessoa jurídica pela legislação no conceito de insumos deveu-se mais a uma visão conglobante do sistema normativo do que à verificação de essencialidade ou pertinência de tais itens ao processo de produção de bens ou de prestação de serviços por ela protagonizado. Aliás, consoante exposto pelo Ministro Mauro Campbell Marques em seu segundo aditamento ao voto (que justamente modificou seu voto original para incluir no conceito de insumos os EPIs) e pela Ministra Assusete Magalhães, o critério da relevância (que engloba os bens ou serviços exigidos pela legislação) difere do critério da pertinência e é mais amplo que este. 

52. Nada obstante, nem mesmo em relação aos itens impostos à pessoa jurídica pela legislação se afasta a exigência de que sejam utilizados no processo de produção de bens ou de prestação de serviços para que possam ser considerados insumos para fins de creditamento das contribuições, pois esta exigência se encontra na noção mais elementar do conceito de insumo e foi reiterada diversas vezes nos votos dos Ministros da Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça colacionados acima. 

53. São exemplos de itens utilizados no processo de produção de bens ou de prestação de serviços pela pessoa jurídica por exigência da legislação que podem ser considerados insumos para fins de creditamento da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins: a) no caso de indústrias, os testes de qualidade de produtos produzidos exigidos pela legislação; b) tratamento de efluentes do processo produtivo exigido pela legislação c) no caso de produtores rurais, as vacinas aplicadas em seus rebanhos exigidas pela legislação, etc. 

54. Por outro lado, não podem ser considerados para fins de creditamento das contribuições: a) itens exigidos pela legislação relativos à pessoa jurídica como um todo, como alvarás de funcionamento, etc; b) itens relativos a atividades diversas da produção de bens ou prestação de serviços. 

(...)

Fonte: Solução de Consulta nº 164 - Cosit Data 27 de setembro de 2021

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.