x

TECNOLOGIA

75% dos pequenos e médios lojistas virtuais vendem pelo whatsapp

Confira dados da pesquisa e dicas de especialista para orientar os empreendedores em situações de “apagão digital” como a que aconteceu na última segunda-feira

10/10/2021 17:00:02

2 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

75% dos pequenos e médios lojistas virtuais vendem pelo whatsapp Foto: Pixabay

O whatsapp é um dos aplicativos mais utilizados pelos brasileiros. O app de mensagens tem 120 milhões de usuários ativos no Brasil e 1,5 bilhão no mundo.A tecnologia tem ajudado também milhares de empreendedores a se comunicarem com seus clientes - sendo o principal canal de atendimento de muitos e-commerces.

Na tarde da última segunda-feira, 4 de outubro, o app, assim como outros dispositivos do Grupo Facebook, mostraram instabilidade no mundo todo, deixando o canal de comunicação fora do ar.

A empresa assumiu que o problema foi global e, somente após 6 horas, os apps voltaram a funcionar. Colaboradores e profissionais das redes sociais também notaram dificuldade em trabalhar. Os três aplicativos também enfrentaram instabilidade em junho passado, durante cerca de duas horas e meia. Na ocasião, o Facebook afirmou que a falha havia sido causada por um ajuste de configuração. 

Whatsapp como aliado de pequenos e médios lojistas

De acordo com levantamento exclusivo da Loja Integrada, plataforma gratuita para a criação de lojas virtuais, cerca de 75% dos pequenos e médios lojistas usam o aplicativo como canal direto de vendas com seus clientes - além da loja virtual.

Além disso, quase 68% dos lojistas da LI afirmam usar o Whatsapp como principal ferramenta de atendimento ao cliente, seguido pelo Instagram (15%) e do e-mail (5,6%)

Para Gustavo Ruchaud, diretor de marketing da Loja Integrada, o whatsapp se tornou uma ferramenta essencial na vida dos lojistas virtuais, não só na hora de vender, mas também de realizar o pós-venda.

“Por ser gratuito, o app está no celular de quase todos os brasileiros. Para o empreendedor, uma das principais vantagens de usar a ferramenta é poder criar campanhas e ações promocionais que são enviadas de forma automática. Além disso, com o app é possível verificar métricas e realizar um atendimento quase que em tempo real. Com a instabilidade, os lojistas irão precisar fazer um balanço de suas vendas, dando um suporte e retorno aos clientes por outros canais também”, explica.

O especialista deu 3 dicas para orientar os empreendedores a driblar o apagão digital destes apps:

Relacionamento em primeiro lugar

Instabilidades acontecem e por isso se comunicar com seu cliente é fundamental. Por mais que o contato seja direto pelo whatsapp é preciso humanizar essa comunicação e criar padrões de atendimento, que devem estar relacionados à cultura da marca.

Além disso, criar uma comunicação por e-mail pode ser uma forma de formalizar os processos. Neste caso, uma dica é comunicar seus clientes sobre a instabilidade e deixar outras formas de contato disponíveis até que a situação seja regularizada.

Aposte na sua loja virtual

O melhor caminho é usar a base de clientes do lojista, integrando os canais de comunicação e venda, oferecendo ao cliente a comodidade de poder comprar  e se relacionar pelo app do whatsapp - mas não deixando esta ferramenta como único canal. Investir na divulgação da loja em outras plataformas, como o google e Youtube, pode manter a loja funcionando e vendendo.

Invista em novos canais

Para Ruchaud, o empreendedor não deve ser refém de apenas um canal e deve apostar sempre em novas formas de engajar seu cliente. O uso do Telegram, por exemplo, tem crescido bastante no Brasil,funciona perfeitamente para divulgação de negócios.

Outra dica é investir em canais de comunicação próprios - quando estamos falando de e-commerce - por meio de um chatbot ou recursos que permitam o chat com os consumidores.

Fonte: Assessoria de imprensa Loja Integrada

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.