x

Setor de transportes

Levantamento do Ipea aponta 1,4 milhão de trabalhadores de aplicativos no Brasil

Os dados mostram que esses profissionais são 31% do total estimado de e 4,4 milhões de pessoas alocadas no setor de transporte.

08/10/2021 16:00:01

560 acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Levantamento do Ipea aponta 1,4 milhão de trabalhadores de aplicativos no Brasil Pexels

Nesta quinta-feira (7), o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou uma pesquisa apontando que cerca de 1,4 milhões de pessoas trabalham para aplicativos de transporte de passageiros ou mercadorias no Brasil. 

As projeções, feitas com base em dados e pesquisas do IBGE, mostram que esses profissionais representam cerca de 31% do total estimado de 4,4 milhões de pessoas alocadas no setor de transporte, armazenagem e correio no país.

No primeiro trimestre de 2016, o total de pessoas ocupadas no transporte de passageiros por aplicativo era de cerca de 840 mil.Já no primeiro trimestre de 2018, o número atingiu 1 milhão e, no terceiro trimestre de 2019, avançou a 1,3 milhão.

"Por conta da pandemia de Covid-19, houve redução ao longo de 2020, mas o número logo se estabilizou nos dois primeiros trimestres de 2021 em 1,1 milhão de pessoas ocupadas em transporte de passageiros no regime de conta própria, valor 37% superior ao do início da série, em 2016”, informou o Ipea.

No caso do transporte de mercadorias, também por aplicativos, os números subiram de 30 mil trabalhadores em 2016 para 278 mil em 2021.

"Com a ascensão das plataformas de aplicativos para entregas de mercadorias ou transporte de passageiros e o consequente avanço tecnológico que facilita mais contratações de curto prazo, é possível perceber que a quantidade de pessoas com empregos não tradicionais (como autônomos e trabalhadores temporários) teve um crescimento exponencial nos últimos anos", afirmou o Ipea.

Fonte: com informações da Reuters

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.