x

SAÍDA DO MINISTÉRIO

Secretários do Ministério da Economia pedem demissão após furo no teto do Orçamento

Quatro secretários pediram seus desligamentos nesta quinta-feira (21) após fala do presidente Jair Bolsonaro sobre os valores de um novo auxílio social.

22/10/2021 11:30:01

2,6 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Secretários do Ministério da Economia pedem demissão após furo no teto do Orçamento Marcelo Camargo / Agência Brasil

Nesta quinta-feira (21) o Ministério da Economia recebeu o pedido de demissão de quatro de seus secretários, logo após a confirmação de que o governo do atual presidente pretende realizar uma manobra para furar o teto de gastos para realizar um auxílio social temporário até 2022, época em que Jair Bolsonaro buscará a reeleição.

Informando o desligamento por motivos pessoais, o secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, o secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, a secretária especial-adjunta do Tesouro e Orçamento, Gildenora Dantas, e o secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Rafael Araujo, deixaram de compor o quadro de apoio do Ministro da Economia.

A fala do presidente também impactou o mercado e o Ibovespa (índice da Bolsa Brasileira) caiu 2,75% e encerrou o dia em 107.735 pontos, o menor em quase um ano, causando o disparo do dólar comercial que registrou o maior valor em seis meses, a R$5,668.

Os secretários Funchal e Bittencourt já estavam se mostrando contra os posicionamentos de Bolsonaro e chegaram a ameaçar seus desligamentos na terça-feira (19), quando haveria o então pronunciamento sobre o Auxílio Brasil, que foi cancelado de última hora após a reação negativa da equipe de Paulo Guedes e do mercado financeiro.

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.