x

TRABALHISTA

MEI Digital: proposta para regularizar entregadores trava entre governo e aplicativos

O projeto original do governo era realizar uma arrecadação mensal de R$55, cobrado do motorista ou do app vinculado.

24/11/2021 11:30:01

2 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

MEI Digital: proposta para regularizar entregadores trava entre governo e aplicativos Pexels

A discussão sobre a regularização dos entregadores de aplicativos, levantada no meio deste ano, não deve ir para frente. A proposta de criação de um MEI Digital que faria arrecadações mensais de R$55, cobrados pelo governo para acerto do app ou colaborador, encontra dificuldades no diálogo entre os grandes serviços de entrega e o governo.

Também chamado de MED, o Ministério do Trabalho e Previdência deveria entregar ao Congresso uma versão final da proposta deste novo meio de contribuição até setembro, prazo que não foi cumprido.

A medida atingiria cerca de 1,5 milhão de trabalhadores que atuam informalmente para os aplicativos como iFood, Rappi, Uber Eats e outros. Com o pagamento do MED, o colaborador receberia direitos previdenciários como aposentadoria por tempo de serviço, auxílio-doença e outros benefícios.

Ainda não havia sido determinado quem pagaria por esses encargos ao governo, o que causou grande preocupação para os entregadores e também para os gigantes da área. Outro entrave foi o valor e a porcentagem a ser cobrada nessa regularização, já que a quantia original foi considerada como uma contribuição muito baixa.

A falta de regulamentação segue movimentando ações na justiça com cerca de 625 processos contra as empresas de apps, que buscam por direitos, reconhecimentos e a determinação de que há vínculo empregatício.

A previsão é que a discussão ainda dure meses, visto que existem diversos entraves nas negociações, sendo um debate muito delicado que vem tentando ser resolvido há anos.

 

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.