x

MELHORIA NO SETOR

E-commerces faturam R$ 53,4 bilhões no 1º semestre deste ano e crescem 31% em comparação a 2020

Este aumento pode ser um reflexo dos novos clientes que surgiram durante a pandemia e aderiram ao modelo de compra.

03/12/2021 09:20:01

723 acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

E-commerces faturam R$ 53,4 bilhões no 1º semestre deste ano e crescem 31% em comparação a 2020 Pexels

Em quase dois anos de pandemia, sendo grande parte deste tempo com severas restrições de circulação, é quase impossível encontrar quem não fez ao menos uma compra pela internet para itens de bens duráveis ou não.

Aquisição de coisas básicas pelo meio digital se tornaram o novo normal, seja para comprar nem que seja uma roupa, um remédio ou mesmo itens de supermercado. Até quem era avesso ao comércio virtual acabou se rendendo. Um estudo feito pela Webshoppers mostrou que 13 milhões de brasileiros fizeram compras online pela primeira vez em 2020 - esse número equivale a população inteira da Bahia.

A entrada de novos consumidores somada aos já habitués provocou um boom no e-commerce brasileiro, que faturou, ainda segundo a Webshoppers, R$ 53,4 bilhões, somente no 1º semestre de 2021. Esse valor representa um aumento de 31% em relação ao mesmo período de 2020.

Expansão do digital

Do outro lado da ponta, cresce também o número de empresas colocando seus negócios no campo do digital, o que exige um expertise a mais para enfrentar a concorrência. Uma das estratégias mais buscadas é o uso de ferramentas de automação, que permite, entre outras coisas, a análise prática e rápida dos preços oferecidos por empresas do mesmo setor. Em outras palavras, são robôs que acessam, coletam e estruturam dados da internet, minimizando erros, aumentando a produtividade e evitando uma discrepância de valor entre produtos iguais.

Para João Drummond, CEO e fundador da Crawly, startup de desenvolvimento de robôs inteligentes para busca e coleta de dados, lançar mão dessa tecnologia vai além de apenas automatizar determinados trabalhos, antes feitos de forma manual. Para ele, os `bots inteligentes' permitem, inclusive, gerar consumidores em potencial.

"O uso de plataformas de automação para pesquisa de dados em lojas virtuais e marketplaces permite, por exemplo, que empresas possam mapear seus concorrentes, identificar nichos de mercado em potencial e investir em marketing, vendas e logística com mais assertividade. A partir de informações de qualidade, é possível prever o comportamento de consumidores e oferecer melhores condições para comercialização de produtos na internet", garante Drummond.

O investimento em ferramentas digitais faz ainda mais sentido diante de um outro dado levantado pelo mesmo estudo. Segundo a Webshoppers, os principais caminhos até a loja são os sites e as redes sociais. E se o ritmo do próximo ano seguir o de 2021, a expectativa é que o mercado digital seja inundado por outra leva de novos consumidores. Isso porque os três primeiros meses, de acordo com a pesquisa, foram os mais promissores para o ambiente virtual.

"Para além dos preços, com uma análise mais aprofundada sobre informações a respeito de produtos e vendedores (onde estão, quantos são e como estão sendo apresentados na internet), as empresas podem elaborar estratégias complexas de precificação, gestão de estoque e logística e de marketing de produtos, com foco em se tornarem mais atraentes aos consumidores que seus concorrentes", finaliza o CEO.

Com informações Hochmüller Multimídia e Crawly

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.