x

Covid

Auxílio-doença: empresas cortam benefício para funcionários não vacinados no Reino Unido

Diante da recusa da vacinação e aumento dos casos de Covid, empresas optaram por reduzir salário de trabalhadores em autoisolamento e sem imunização.

12/01/2022 09:30:01

779 acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Auxílio-doença: empresas cortam benefício para funcionários não vacinados no Reino Unido Pexels

Diante do avanço novamente do coronavírus, empresas do Reino Unido estão tomando medidas mais severas com funcionários que não se vacinaram. 

A Ikea, gigante do setor de móveis com mais de 10.000 funcionários, cortou o auxílio-doença para alguns funcionários não vacinados que estão se isolando após terem contato com um caso positivo de Covid-19.

A Ikea disse que reduzirá o auxílio-doença para esse grupo ao mínimo legal de 96,35 libras (R$ 740) por semana. A mudança de política foi relatada pela primeira vez pelo jornal The Mail on Sunday.

A varejista entra para a lista de empresas que adotam uma abordagem mais dura para os funcionários que recusam a vacinação.

"Trabalhadores não vacinados sem circunstâncias atenuantes, que foram identificados como contatos próximos de casos positivos, receberão o auxílio-doença previsto em lei", disse a Ikea.

O governo do Reino Unido cancelou em agosto o autoisolamento de pessoas duplamente vacinadas por contato próximo com um caso de Covid-19.

A Ikea disse que sua abordagem das faltas relacionadas à Covid-19 mudou após setembro do ano passado, e os indivíduos ausentes do trabalho seriam considerados "caso a caso".

Mudanças na política do auxílio-doença

A empresa de água e esgoto Wessex Water apresentou uma mudança semelhante na política de auxílio-doença a partir de segunda-feira (10), juntando-se a empresas como Wm Morrison, que já reduziram o auxílio-doença para funcionários não vacinados.

A companhia de serviços públicos, que sofreu faltas crescentes nas últimas semanas, pagará o subsídio mínimo legal por doença a qualquer funcionário isolado que não tenha recebido pelo menos uma vacina contra a Covid-19.

"As ausências devido à Covid dobraram na última semana, por isso precisamos que todos estejam disponíveis para podermos continuar fornecendo serviços essenciais ininterruptos de água e esgoto", disse a companhia.

Julian Cox, chefe de práticas de emprego no escritório BLM Law, disse que qualquer empresa que corte o pagamento de auxílio-doença para funcionários não vacinados "precisa agir com cuidado".

"Embora algumas empresas vejam isso como uma maneira de incentivar os funcionários a se vacinarem, existem armadilhas potenciais para os incautos, incluindo alegações de rompimento de contrato, demissão construtiva e discriminação", acrescentou.

Marie Walsh, especialista em direito trabalhista, alertou que as empresas devem "considerar as repercussões" de tal política. "Ela pode levar os funcionários a não se isolarem e seguirem as orientações, comparecendo ao trabalho quando não deveriam", acrescentou.

Fonte: com informações da Folha

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.