x

Emprego

Pandemia continua a prejudicar o emprego, alerta a ONU

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) foi forçada a revisar em forte queda sua previsão para uma recuperação do mercado de trabalho este ano.

18/01/2022 17:00:02

906 acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Pandemia continua a prejudicar o emprego, alerta a ONU Pexels

Nesta segunda-feira (17) a ONU divulgou um estudo que mostra que a pandemia de covid-19 continua a causar estragos sobre o emprego em todo o mundo.

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) foi forçada a revisar em forte queda sua previsão para uma recuperação do mercado de trabalho este ano, em particular devido ao impacto das variantes delta e ômicron, que atingiram duramente a grande maioria dos países.

Agora, prevê um déficit geral em horas trabalhadas equivalente a 52 milhões de empregos em tempo integral em comparação com o quarto trimestre de 2019. Isso é o dobro do que a organização ainda estava prevendo em maio de 2021, de acordo com o relatório sobre tendências 2022.

"Dois anos após o início da crise, as perspectivas permanecem frágeis e o caminho para a recuperação é lento e incerto", constatou o diretor-geral da OIT, Guy Ryder, em comunicado.

"Já estamos vendo danos potencialmente duradouros no mercado de trabalho e estamos testemunhando um aumento preocupante da pobreza e da desigualdade", ressaltou Ryder, dando o exemplo de "muitos trabalhadores que estão sendo forçados a mudar para novos tipos de empregos", como no turismo e nas viagens internacionais, duramente atingidos pelas restrições sanitárias. 

A taxa de desemprego oficial permanece mais alta do que antes da pandemia e deve seguir acima até pelo menos 2023. 

O número de desempregados para 2022 é estimado pela OIT em 207 milhões (5,9%), contra 186 milhões em 2019.

Em 2022, a taxa geral de atividade deve permanecer 1,2 ponto percentual menor do que em 2019, estima a organização.

Mas, sobretudo, ressalta que a crise sanitária - que já provocou, segundo dados oficiais, mais de 5,5 milhões de mortes e custou bilhões de dólares - tem efeitos muito mais severos do que os números oficiais, porque não incluem pessoas que deixaram o mercado de trabalho.

Retomada econômica

"Não vamos nos recuperar desta pandemia sem uma recuperação de longo alcance no mercado de trabalho. E para ser sustentável, essa recuperação deve ser baseada nos princípios do trabalho decente, incluindo saúde e segurança, igualdade, proteção social e diálogo social", advertiu Ryder.

De acordo com o relatório, a América do Norte e a Europa mostram os sinais mais fortes de recuperação, ao contrário do Sudeste Asiático, América Latina e Caribe.

No nível nacional, a OIT aponta que "a recuperação do mercado de trabalho é mais forte nos países de alta renda, enquanto é mais fraca nas economias de renda média-baixa". 

"O impacto desproporcional da crise sobre o emprego das mulheres provavelmente persistirá nos próximos anos", continua o relatório, observando que o fechamento de escolas - às vezes por períodos muito longos - "terá implicações em cascata" entre os jovens, especialmente aqueles que não tem acesso à internet. 

Para Guy Ryder, "sem um esforço concertado e políticas eficazes em nível internacional e nacional, é provável que alguns países levem anos para reparar os danos", com consequências a longo prazo "para a taxa de participação, rendimento das famílias, mas também para a coesão social e até política".

Fonte: Folha PE

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.